PCDF faz buscas na casa de ex-chefe da Casa Civil e presidente da Caesb é alvo da Operação E$quema S

Policiais cumpriram mandado de busca e apreensão na casa de Valdetário Monteiro, ex-chefe da Casa Civil do DF e o presidente da Caesb, Daniel Rossiter é alvo da Operação E$quema S, deflagrada na manhã desta quarta-feira (09/09)

90
Print Friendly, PDF & Email

Por Ana Paula Oliveira

Policiais civis do Distrito Federal cumpriram mandado de busca e apreensão na casa de Valdetário Monteiro, ex-chefe da Casa Civil do DF, na manhã desta quarta-feira (9/9). A ação da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Cecor) da Polícia Civil do DF (PCDF). O integrante do alto escalão do Governo do Distrito Federal é suspeito de praticar irregularidades na licitação de merenda escolar na rede pública de ensino, que previa a entrega de 94 milhões de refeições ao custo de R$ 375 milhões.

A investigação é da Divisão Especial de Repressão à Corrupção da Cecor (Decor), em conjunto com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep), e com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU).

Segundo a PCDF Foram cumpridos 26 mandados em órgãos públicos, residências de servidores, ex-servidores e particulares, e empresas envolvidas nas licitações. As buscas foram realizadas no Distrito Federal e nos estados de São Paulo e Piauí. Há duas operações em curso, batizadas de Fames-2ª Fase e Self-Service.

Valdetário Monteiro deixou a Casa Civil em 18 de junho deste ano. Em 19 de junho, o GDF suspendeu a licitação para a contratação de empresas que forneceriam merendas às unidades escolares da rede pública para “Análise dos questionamentos e impugnação ao referido edital”.

Operação E$quema S

O presidente da Caesb (Companhia de Saneamento Ambiental do DF), Daniel Rossiter é um dos 26 alvos da Operação E$quema S, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF), nesta quarta-feira (09/09). A operação investiga um suposto desvio de R$ 151 milhões do Sistema S do Rio de Janeiro.

Até 2014, Rossiter mantinha sociedade no escritório de advocacia de Eduardo Martins, filho do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins. Eduardo também é alvo da Operação E$quema S e, de acordo com a investigação, recebeu R$ 40 milhões de maneira indevida e exercia influência em processos que tramitam no STJ. A ação é um desdobramento da Operação Lava Jato.

Daniel Rossiter foi denunciado, também por peculato e lavagem de ativos. Segundo a acusação do MPF, ele teria participado das irregularidades a partir da emissão de documentos falsos junto à Fecomércio fluminense.

As irregularidades teriam começado em 2012 e durado até 2018, segundo a PF. Entre as entidades investigadas, estão a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio (Fecomércio-RJ), Sesc e Senac.

Rossiter comanda a Caesb desde agosto do ano passado. Ele também atuou como consultor jurídico do GDF e é procurador do Distrito Federal há 15 anos.