Jorge Vianna aciona MPT contra estabelecimentos de farmácias, por deixar de pagar piso salarial aos trabalhadores

116
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

O deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), enquanto presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), da Câmara Legislativa do DF (CLDF), apresentou representação junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), na terça-feira (25/Ago), contra estabelecimentos do segmento farmacêutico. Segundo Vianna, algumas farmácias do DF demitiram os profissionais e os recontratam. Porém, com salários e benefícios abaixo que o estabelecido pelo piso da categoria, ou previstos em Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

A denúncia, recebida por Vianna, do Sindicato dos Farmacêuticos do DF (SINDIFAR-DF), entidade de classe laboral, foi publicitada pelo deputado, durante a sessão extraordinária da CLDF (25/Ago). Na ocasião, o parlamentar informou a apresentação de representação junto ao MPT.

“Os  farmacêuticos das empresas privadas estão sendo demitidos das empresas, porque o sindicato dos patrões não querem pagar o piso salarial dos trabalhadores. Eles não querem nem utilizar o piso das Convenções [Coletivas de Trabalho] de anos atrás, zerou. Aí o sindicato dos patrões de farmácias falaram: Olha os donos de farmácias, não peguem o piso que o sindicato está querendo, pague qualquer valor e deixa que depois a gente resolve na justiça.”.

MPT

Na representação ao MPT, o presidente da CESC, observou que o quadro se agravou, após publicação em redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas, de vídeo publicado pelo Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do DF (Sincorfarma-DF). Degravação, a partir da mídia, o sindicato orienta os empresários do segmento a recontratar os profissionais, sem observância do piso salarial.

Confira a representação: