Deputados questionam número de leitos de UTI no DF e rechaçam fala de Ibaneis

102
Print Friendly, PDF & Email

Jorge Vianna rebateu a designação do governo de leito reservado: “Isso não existe: ou o leito é apto ou inapto”

Por Franci Moraes

Na sessão extraordinária desta terça-feira (30), parlamentares questionaram o quantitativo de leitos de UTI no DF e rechaçaram as recentes falas do governador Ibaneis Rocha, em entrevistas concedidas à imprensa, sobre a Coivd-19. O deputado Jorge Vianna (Podemos) cobrou explicações do Complexo Regulador em Saúde do Distrito Federal (CRDF) sobre o número exato de leitos de UTI disponíveis para pacientes com Covid-19 e a designação “leito reservado”. Ele rebateu o termo: “Isso não existe: ou o leito é apto ou inapto”, alegou.

“Estão fraudando dados sobre a quantidade de leitos”, afirmou o deputado Fábio Felix (PSOL), que criticou a falta de transparência nas informações e a designação de “categorias que não existem para qualificar leitos de UTI que não estão habilitados”. Acrescentou que o gesto do governador Ibaneis de reabertura de atividades no DF é irresponsável e segue a avaliação equivocada do governo federal.

A mesma posição manifestou a deputada Arlete Sampaio (PT), que, além de questionar o número de leitos no DF, criticou a falta de insumos e medicamentos. “Como podemos entubar um paciente sem sedativo?”, protestou a parlamentar, que é médica sanitarista. Ela ainda considerou “lamentável” a fala de Ibaneis, que nomeou a doença como uma “gripezinha”. Para o deputado Chico Vigilante (PT), Ibaneis passou a adotar a posição “negacionista” com relação à pandemia. Ele também apontou a incoerência nas decisões do governador que ontem (29) declarou estado de calamidade pública no DF e, logo em seguida, anunciou que “tudo abrirá até agosto”. Comparou este posicionamento ao do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que, ao contrário, defendeu o fechamento mais rígido do comércio para frear a contaminação.

“A população está chegando ao limite porque não aguenta mais assistir a tanta irresponsabilidade”, afirmou o deputado Leandro Grass (Rede), que proferiu duras críticas à “falta de respeito” do governador. Do mesmo modo, o deputado Reginaldo Veras (PDT) considerou que Ibaneis é responsável, mesmo que indiretamente, pela vida de cerca de 3,5 milhões de moradores do DF e poderá responder a crimes por negligenciar essa realidade. Veras defendeu a ciência e os cientistas como norteadores na classificação e combate à Covid-19.

Fonte: CLDF