Profissionais do HRL são capacitados para atendimento em AVC

133


Print Friendly, PDF & Email

A unidade de emergência será uma das referências da doença no Distrito Federal

Por Érika Bragança

Profissionais da emergência do Hospital da Região Leste serão capacitados para atendimento aos pacientes que sofreram Acidente Vascular Cerebral (AVC). O treinamento acontecerá em três etapas e capacitará 173 servidores que fazem parte da equipe multidisciplinar do pronto-socorro. Com isso, a unidade será uma das referências em atendimento a esses casos no Distrito Federal. O curso tem o objetivo de alinhar o fluxo de atendimento desde a emergência até o momento da alta hospitalar.

Publicidade

O secretário de Saúde, Francisco Araújo, afirma que investir em capacitação dos profissionais de saúde é uma determinação do governador Ibaneis Rocha para melhorar e humanizar o atendimento dos pacientes atendidos na rede pública. “Temos feito vários investimentos em cursos e treinamento dos servidores com o objetivo de alcançarmos uma excelência no atendimento de uma saúde que encontramos em situação deplorável”, acrescentou Araújo.

A capacitação está sendo realizada on-line, por plataforma gratuita, e os participantes terão certificado feito em parceria com o núcleo de educação de profissionais da saúde do Samu. A linha de cuidado do AVC foi atualizada e faz parte do Plano de Ação Regional da Rede de Atenção às Urgências e Emergências do Distrito Federal. Adriana Barros Areal, médica neurologista e Referência Técnica Distrital em Neurologia, assegura que o mais importante desse processo foi a articulação entre a gestão e a assistência de modo a oferecer uma solução alternativa rápida para a população.

“Com a pandemia, tivemos que redirecionar alguns fluxos de assistência para dar um suporte para a Região Central, que tem o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) como referência de Covid-19. Com a reestruturação do HRL, o DF terá uma unidade ampliada para atender o paciente que sofre de AVC e precisa ser internado. A Linha de Cuidado do AVC necessita da articulação de vários elos – desde o atendimento emergencial, internação, alta e reabilitação.

A equipe do Hospital da Região Leste mostrou-se aberta para estruturação da unidade visando esse trabalho de referência. A unidade recebeu novos neurologistas, bem como a instalação de um novo tomógrafo. A capacitação vem para unificar as ações e alinhar os protocolos com a equipe”, ressaltou Areal.

Referência

Para ser referência, além do curso de capacitação, a unidade deve ter profissionais especialistas de neurologia na emergência e equipamento adequado. Com isso, a unidade terá um salto na qualidade do atendimento. Juliana Leão, gerente de Apoio aos Serviços Fixos de Urgência e Emergência, destacou a pactuação como mais um passo na execução do Plano de Ação Regional da Rede de Atenção às Urgências e Emergências do Distrito Federal (RUE).

Segundo a profissional, a nova realidade, vivida com a pandemia, não tem impedido as áreas técnicas de realizarem seus momentos de aprendizagem. Pelo contrário, tem contribuído para o desenvolvimento de novas pactuações e linhas de cuidados. A profissional ressaltou que o papel da área é ser o grupo condutor das políticas de urgência e emergência. “Temos o papel fundamental de implantar várias linhas de cuidados da emergência e uma delas é o AVC. Desenvolvemos o material que auxiliará os gestores e profissionais da ponta a seguir o trabalho de forma unificada”, destacou.

Atendimento

Caso a população tenha algum sintoma relacionado ao AVC, deve-se chamar o Samu que é especializado em atender a esse tipo de demanda. Todo o trabalho é feito para diminuir o tempo de assistência e, assim evitar a piora do paciente e possíveis sequelas. É ele que também regula o paciente para as unidades. Cláudia Mitiê, gerente de emergência do HRL, pontua toda a cadeia envolvida no atendimento que engloba a equipe multiprofissional na emergência. A profissional destaca o diferencial em ser referência na área. Para isso, a unidade recebeu servidores especialistas da área de neurologia e um novo tomógrafo para exames de imagem. Os profissionais também serão capacitados para uso do aparelho.

“No atendimento ao paciente vítima de AVC, o tempo é essencial e cada profissional deve estar apto a saber o que fazer em cada etapa do atendimento. As palestrantes, médicas neurologistas Adriana Barros e Letícia Rebello, mostraram tanto a parte teórica sobre o AVC como a parte prática do fluxo de atendimento. Mostrou que o sucesso nesse processo não é determinado só pelo médico. Também participam dessa cadeia de emergência outros profissionais de saúde – técnicos de enfermagem, enfermeiros, fisioterapeutas e fonoaudiólogos.

Todos passarão pela capacitação porque precisamos ter uniformidade de atendimento e protocolo, inclusive os médicos residentes. Tudo para dar uma melhor resposta e um atendimento de qualidade a esse paciente”, ressaltou Mitiê.

Fonte: Agência Brasília