Fundação Itaú faz doação de EPIs à Secretaria de Saúde do DF

82
Print Friendly, PDF & Email

Entre os equipamentos estão máscaras N-95, óculos de proteção e luvas

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal recebeu uma grande doação de equipamentos de proteção individual (EPIs) da Fundação Itaú para Educação e Cultura. A ação tem como objetivo apoiar os profissionais de saúde no enfrentamento do novo coronavírus.

Ao todo, foram doados 7.100 máscaras N-95; 216.500 máscaras cirúrgicas; 60.900 luvas; 161.800 aventais; 6.960 óculos de proteção e 6.550 protetores faciais do modelo Face Shield.

“A doação desses EPIs chega em um ótimo momento. Eles estão entregando alguns equipamentos que não conseguimos doação e nem a compra, como os aventais, em que estamos tendo problemas com o fornecedor”, explica a subsecretária de Logística, Mariana Mendes Rodrigues.

Os EPIs têm sido uma dificuldade não só para a Secretaria de Saúde do DF, mas para o Brasil inteiro, tanto com relação à qualidade quanto quantidade.

“Fazemos compras, mas nem sempre os fornecedores apresentam marcas boas e de qualidade, já rejeitamos muito material. Temos todo o cuidado de distribuir apenas os materiais que passam pelo atesto da área técnica e são aprovados; mesmo assim, ainda há reclamação por parte dos profissionais em relação ao material, até por insegurança desses profissionais que estão no combate à Covid-19. Isso é normal e entendemos”, afirma a subsecretária de Logística.

Essa é a maior doação, em quantidade, já recebida de uma única vez pela Secretaria de Saúde. O material irá reforçar os estoques da Pasta e dar um fôlego para o pessoal de compras, que luta diariamente para manter a rede abastecida.

Avaliação

 Todos os EPIs foram entregues nesta sexta-feira (29), no Parque de Apoio. Logo na chegada, os equipamentos passaram por uma avaliação prévia de qualidade realizada pelo gerente de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho Ricardo Theotonio.

“Todos os equipamentos de proteção individual são avaliados antes de repassar para os profissionais. Pensamos tanto na segurança como no conforto dos trabalhadores, que ficarão horas usando esses EPIs”, explica.

De acordo com Ricardo Theotonio, os equipamentos que precisam de algum tipo de ajuste são encaminhados para os setores de apoio, onde os servidores não tenham contato com pacientes para evitar o risco de contaminação.

Fonte: Agência Brasília