Hospital de Taguatinga deve ampliar capacidade de leitos voltados à Covid-19

560
Print Friendly, PDF & Email

Primeira etapa de obras contou com pinturas e revitalização elétrica

Por Leandro Cipriano

O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) tem passado por uma série de manutenções prediais, que contribuirão para ampliar a capacidade de atendimento e abrigar até 15 novos leitos de retaguarda, voltados aos pacientes com a Covid-19. A primeira etapa do processo contou com pinturas nas partes externas do ambulatório, pronto-socorro e banco de sangue, e a revitalização das redes elétrica e hidráulica da unidade.

Publicidade

“Além de fazer as manutenções corretivas e estruturais, que há anos não são feitas no HRT, os reparos serão importantes para reformar as enfermarias que vão abrigar esses leitos de retaguarda. Queremos ainda individualizar os leitos pediátricos dos adultos, para melhorar o atendimento aos pacientes com a Covid-19”, informou o diretor do HRT, Wendel Alves.

Na avaliação do diretor do hospital, além de garantir o melhor atendimento aos pacientes com Covid-19, a revitalização dos espaços também será importante para melhorar a qualidade da estrutura do HRT, que completou 46 anos.

“A renovação das partes externas já deu um novo ar ao hospital. Nunca houve aqui um processo de investimento tão grande na estrutura predial como agora. A população e os servidores merecem essas melhorias”, destacou Wendel Alves.

Mudança de fluxo

De acordo o superintendente da Região de Saúde Sudoeste, Valdir Soares, a enfermaria do HRT para pacientes adultos será voltada ao atendimento de retaguarda de pessoas que estão se recuperando da Covid-19. Em contrapartida, a enfermaria da pediatria será colocada no segundo andar do hospital, em um ambiente mais arejado.

“Estamos reformulando todo o fluxo para receber os pacientes com coronavírus, garantindo o melhor atendimento deles nesse momento de exceção. Além disso, as reformas mostram todo o zelo que temos pela instituição”, disse o superintendente.

Segunda etapa

A próxima fase da manutenção está prevista para iniciar este mês, com a troca de tomadas, interruptores e esquadrias antigas por novas. Também será finalizada a pintura da fachada, do bloco principal, das torres, elevadores e do primeiro andar. Ao todo, mais de 15 mil metros quadrados de área serão pintados.

O valor do contrato de manutenção predial foi orçado em R$ 1.496.662,52, com previsão de ser concluído pela empresa responsável até o segundo semestre deste ano.

Fonte: Agência Saúde DF

Artigo anteriorServidores da Central de Regulação do DF são testados para a Covid-19
Próximo artigoSecretaria de Saúde investe R$ 79 milhões no Hospital do Mané Garrincha