Dengue: Força-tarefa contra a dengue percorre dez regiões administrativas

55
Print Friendly, PDF & Email

Participaram da mobilização 376 agentes de Vigilância Ambiental

Por Leandro Cipriano

O combate à dengue continua incessante no Distrito Federal. Nesta quinta-feira (9), foi a vez dos moradores de dez regiões administrativas receberam a visita, em domicílio, de 376 agentes de Vigilância Ambiental. A mobilização ocorreu em Planaltina, Fercal, Granja do Torto, Vila Planalto, Águas Claras, Areal, Estrutural, Brazlândia, Sobradinho I e II.

Por conta do feriado da Semana Santa, a força-tarefa de combate à dengue, que costuma atuar nos sábados, foi adiantada para hoje. Em meio a pandemia do coronavírus, os agentes têm usado máscaras, luvas e mantido o distanciamento recomendável, enquanto orientam os cidadãos isolados em casa a como eliminar os focos do mosquito Aedes aegypti.

Foi o caso do morador da Fercal e servidor público José Magalhães, que recebeu uma das agentes de Vigilância Ambiental em sua residência. Na ocasião, a profissional de saúde encontrou garrafas vazias viradas e a caixa d’água limpa. Ainda assim, colocou larvicidas nos possíveis pontos que podem se tornar focos do mosquito, especialmente depois da chuva.

“Como já tive dengue há alguns anos, e tenho três crianças em casa, estou sempre verificando se tem alguma poça de água formada. Ainda assim, sempre é bom ter o acompanhamento do poder público, para darem mais orientações. A presença deles é importante aqui, porque tem muitos focos”, afirmou.

Um ponto com vários focos no mosquito foi encontrado em uma poça de água próxima a uma praça da Fercal, que já tinha várias larvas do Aedes. Os agentes informaram a Administração Regional da Fercal sobre a situação, para aterrarem a poça. No mesmo ponto funcionam equipamentos públicos de ginástica, que também acumulavam água da chuva. Neles, foram colocadas larvicidas.

De acordo com diretor de Vigilância Ambiental, Edgar Rodrigues, regiões como Fercal, Sobradinho I e II estão no cronograma da mobilização por terem apresentado um aumento no número de casos prováveis de dengue, depois das chuvas. “Pela própria geografia dos ambientes, são regiões que merecem mais atenção. Por isso, os agentes estão aqui para identificar e eliminar os possíveis depósitos do mosquito, além de instruir os cidadãos”, disse.

Oportunidade

Além disso, o gestor analisa que o momento de isolamento social devido a pandemia pode ser uma oportunidade para os agentes de Vigilância Ambiental orientarem mais pessoas, para elas se tornarem os próprios fiscais de suas residências.

“Aproveitando esse momento que estão em casa, tirem 10 minutos do tempo e façam a inspeção. Vejam seus quintais. Se fizerem isso, garanto que a quantidade de Aedes diminuirá. A população precisa fazer parte do processo. Lembrando sempre: coronavírus pode matar, mas dengue também”, ressaltou o diretor de Vigilância Ambiental.

Conforme o último boletim epidemiológico, divulgado pela Secretaria de Saúde, o Distrito Federal registrou, neste ano, 15.453 casos prováveis de dengue e dois óbitos, sendo que outros oito estão em investigação. Houve um aumento de 125,25% em relação ao número de casos prováveis, quando comparado ao mesmo período de 2019, em que foram registradas 6.851 ocorrências.

Reforço

Devido ao decreto publicado pelo governador Ibaneis Rocha, houve a necessidade de contratação de agentes de saúde, por meio de processo seletivo. A Vigilância Ambiental recebeu o reforço de mais 335 profissionais. Eles passaram por treinamento teórico e prático. Outros 265 agentes contratados iniciarão o treinamento e em breve estarão nas ruas.

As ações promovidas pela Sala Distrital de Combate à Dengue incluem ainda a utilização de drones para verificação de terrenos com edificações fechadas ou abandonadas e, também, de helicópteros. Além da retirada de carros abandonados pelas ruas de todo o Distrito Federal. Além disso, o carro do fumacê passa nas regiões administrativas todos os dias, durante a madrugada (5h30 às 9h30) e no final do dia (17h30 às 21h30).

Fonte: Agência Saúde DF