Após confrontos de Bolsonaro, ministro da Saúde recebe apoio popular, institucional e político

422
Print Friendly, PDF & Email

Manifestações ocorrem após Bolsonaro externar, em entrevista à rádio, estar em crise com Mandetta

Por Kleber Karpov

Nas últimas semanas, o país assiste atônito, investidas por parte do presidente Jair Bolsonaro, contra o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O pivô da nova crise são as sucessivas investidas de Bolsonaro, contra o isolamento durante a pandemia do coronavírus (Covid-19) no país. Nas redes sociais e em entrevista recente a rádio Jovem Pan, o mandatário do Executivo, confronta orientações de Mandetta, sugere a demissão do gestor do MS, além de insistir na amenização da contenção de transmissão da Covid-19 à população, em detrimento da economia.

Publicidade

Tais ações repercutiram negativamente, e resultaram, não só na perda de popularidade de Bolsonaro, constatado por pesquisa Datafolha (3/Abr), publicada pela jornal Folha de São Paulo que mediu avaliação do desempenho do presidente, de governadores e do Ministério da Saúde na condução da crise do coronavírus. Os resultados apontam que o mandatário do país conta com apenas 33% de aprovação, e reprovação de 39%, por parte da população brasileira em relação a pandemia. O desempenho do MS, por sua vez, contou com mais que o dobre do apoio, com 76% de aprovação dos brasileiros.

Mas também em reações populares, nas redes sociais, de entidades ligadas a saúde e, principalmente, do meio político, em apoio ao ministro, após vir a público a intenção do presidente o exonerar Mandetta, da pasta do MS, em meio a crise do coronavírus. Isso porque, para o mandatário do país, falta “humildade” ao gestor da Saúde, em relação a ceder a interesses, não muito claros, do presidente da república.

Em meio a nova crise criada por Bolsonaro contra Mandetta, o ministro deixou claro que só deixa o ministério se for exonerado. Enquanto isso, o gestor do MS tenta gerir o desafio de lidar com a pandemia do coronavírus. Isso, em meio ao eminente colapso do sistema de saúde brasileiro, já anunciado pelo ministro no início de março, a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e, principalmente, de insumos.

O resultado das investidas, resultaram em mais isolamento político Bolsonaro e no amplo apoio à Mandetta. Esse é o caso do Congresso Nacional, em que os presidentes do Senado e da Câmara Federal, os democratas, Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia (Democratas), se negaram a se reunir com o presidente, além de receberem e manifestarem total apoio ao ministro da saúde, no combate a pandemia do coronavírus.

A deputada federal, Carmen Emília Bonfá Zanotto (Cidadania-SC), egressa da enfermagem e Coordenadora da Frente Parlamentar Mista da Saúde (FPMS), também fez questão de deixar claro que o Mandetta “tem todo o apoio da Frente Parlamentar”.

No Distrito Federal, o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), que preside a Comissão de Educação, Saúde e Cultura da Câmara Legislativa do DF (CLDF), também egresso da enfermagem, utilizou as redes sociais, para manifestar apoio ao ministro da saúde.

Entidades a exemplo das federações Nacional dos Médicos (Fenam), Médica Brasileira (FMB) e a Brasileira das Academias de Medicina (FBAM) também se manifestaram em defesa das ações conduzidas pelo MS, bem como o reconhecimento público pela postura à frente do ministério.

“É importante salientar ainda o empenho do Ministério da Saúde com a proteção dos profissionais que estão na ponta do atendimento à população. A pressa é fundamental em pensar em soluções para que não faltem EPIs, respiradores e leitos de UTI, que são fundamentais para que não aumente o número de vítimas do novo coronavírus. É preciso manter essa postura. É preciso agir com coragem e estratégia, pois o foco da saúde é dar atendimento às pessoas com segurança. Ao ministro Mandetta, nosso reconhecimento público de que, até aqui, sua prudência e coragem de assumir a gravidade da pandemia têm, muito provavelmente, evitado mais mortes do que tivemos até aqui.”.

Artigo anteriorFederações reconhecem liderança do ministro da Saúde
Próximo artigoEnfermagem deve realizar capacitação para combate ao COVID-19