Comissão de Saúde debate prevenção ao coronavírus no DF

O presidente do colegiado, deputado Jorge Vianna, defende a conscientização da população por meio de campanhas de prevenção

142
Print Friendly, PDF & Email

Medidas urgentes de prevenção contra o Covid-19 (coronavírus) no Distrito Federal foram discutidas pela Comissão de Educação, Saúde e Cultura (SESC) da Câmara Legislativa do Distrito Federal em reunião na manhã desta quarta-feira (11). O presidente do colegiado, deputado Jorge Vianna (Podemos), defendeu a premente conscientização da população por meio de campanhas de prevenção.

Vianna, que é enfermeiro, também levantou a necessidade do uso de máscaras de proteção N95 pelos profissionais de saúde de prontos-socorros, entre outras medidas de segurança. O parlamentar considerou que a rede pública de saúde do DF não está preparada para enfrentar endemias e catástrofes, motivo pelo qual deveria contar com a “ajuda” da rede privada de saúde da capital, especialmente na cessão de leitos e equipes médicas. Ele alertou para o risco iminente da falta de leitos no Hospital da Asa Norte (HRAN), para onde têm sido levados os casos da doença.

Do mesmo modo, a deputada Arlete Sampaio (PT), que é médica sanitarista, destacou que o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto, é a autoridade sanitária máxima neste momento e pode exigir a colaboração de todos os hospitais do Distrito Federal. Tanto Arlete quanto Vianna vão expor suas sugestões e preocupações ao secretário em reunião hoje à tarde na CLDF.

Publicidade

Processo seletivo – Também na reunião desta manhã, a comissão discutiu sobre o processo seletivo para a contratação de agentes comunitários de saúde pelo Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal (Iges-DF). Segundo o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), vários candidatos denunciaram a falta de transparência no processo seletivo. Ele lembrou que as contratações devem começar na próxima segunda-feira (16), antes que as queixas dos candidatos sejam esclarecidas.

Para o deputado Jorge Vianna (Podemos), há muitas dúvidas sobre a “triagem” dos aprovados: “Como foi feita essa seleção?”, indagou. Nesse sentido, o colegiado encaminhará um requerimento de informações ao governo sobre o processo seletivo para contratação dos agentes comunitários de saúde que deverão atuar, entre outras ações, no combate à dengue. Já a deputada Arlete Sampaio considerou que não apenas neste certame, como também em outros, têm sido “recorrentes” as reclamações de falta de transparência nos processos seletivos do instituto.

Ainda no encontro de hoje, a CESC aprovou diversos projetos, entre eles o Programa de Descentralização Progressiva de Ações de Saúde (PDPAS) para as unidades de saúde do DF (PL 2162/2018), do deputado Delmasso (Republicanos).

Fonte: CLDF

Artigo anteriorCovid-19: MPF recomenda cancelamento de passagens aéreas sem ônus
Próximo artigoProdução de quimioterápicos do HRT aumenta 20%