Oficina aborda sistema de gestão de contratos na era digital no DF

78
Print Friendly, PDF & Email

Profissionais da Secretaria de Saúde participam de evento sobre as novas ferramentas de execução

Gestores e servidores da Secretaria de Saúde (SES) participaram, nesta sexta-feira (22), de uma oficina sobre contratos na era digital. O objetivo foi conscientizar e sensibilizar os executores sobre a importância dos sistemas de gestão nessa área e das ferramentas de apoio à sua execução.

Uma delas é o e-Contrato, que está em fase final e pretende facilitar o acompanhamento desses processos por meio digital. No momento, há 308 contratos inseridos no sistema que, posteriormente, serão enviados para publicação e execução.

Publicidade

“A opção de ter hoje um sistema digital que possibilite uma melhor gestão dos nossos contratos é fundamental”, afirmou o secretário de Saúde, Osnei Okumoto. “Isso dará tranquilidade a todos nós, principalmente aos executores dos contratos, que estão na Saúde e em todo o Distrito Federal”.

Inovação

Outra ferramenta de apoio é o Sistema de Fiscalização de Contratos Corporativos (SFCC). O projeto-piloto é com o contrato 66/2017, de vigilância da Administração Central da Secretaria de Saúde. Para facilitar a execução, os servidores responsáveis estão em fase de treinamento.

“Essa será uma grande revolução na fiscalização dos contratos corporativos”, destacou o secretário-executivo de gestão administrativa da Secretaria de Economia, Juliano Pascoal. “Esse sistema é fundamental para áreas de limpeza e vigilância. Sem um sistema que tenha uma uniformidade das ações, fica muito mais complexo e difícil. O objetivo é um só: um serviço de qualidade para o cidadão.”

Progresso

Um dos palestrantes na oficina, o secretário da Controladoria-Geral do DF, Aldemário Castro, informou que o nível de pagamentos sem cobertura contratual no âmbito da Saúde foi reduzido ao longo dos anos. A quantia caiu de R$ 570 milhões, em 2017, para R$ 181 milhões, em 2018. Até agosto deste ano, chegou a R$ 8 milhões.

“Esta é uma queda positiva, porque deixa-se de ter uma montanha de pagamentos sem cobertura contratual”, avaliou o secretário. “É preciso reconhecer o esforço que foi feito e os resultados positivos. Hoje, a Secretaria de Saúde não é mais a primeira colocada em pagamentos sem cobertura contratual.”

Também participaram da oficina a secretária-adjunta de assistência à saúde, Lucilene Florêncio, e o secretário-adjunto de gestão em saúde, Ronan Pereira Lima.  Após a abertura, o evento foi dividido em três etapas. A primeira abordou as ferramentas de gestão de contratos na era digital – o caso Saúde. Depois, os temas discutidos foram gestão, execução e controle de contratos – a Secretaria de Saúde em ação. Por fim, foram debatidas as soluções e desafios para implantação do Sistema de Fiscalização de Contratos Corporativos.

Com informações da SES

Artigo anteriorCelina Leão se articula para aprovar reajuste de militares no Congresso
Próximo artigoAssistência às vítimas de violência é fortalecida no Distrito Federal