Jorge Vianna participa como voluntário do Outubro Rosa no Hospital Regional de Taguatinga

60


Print Friendly, PDF & Email

“Não adianta só falar, tem que fazer”, afirma deputado ao se referir ao Outubro Rosa

Por Kleber Karpov

Na quinta-feira (25) e na sexta-feira (26), o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), foi um dos instrumentadores, voluntários, do mutirão de cirurgias realizados pelo Hospital Regional de Taguatinga (HRT), para reconstrução mamária e retirada de nódulos cancerígenos. Ação essa, realizada dentro de um rol de atividades do HRT em comemoração ao Outubro Rosa.

Na rede social, Facebook, o deputado, comentou sobre a satisfação e elogiou a ação promovida pelo HRT, que deve devolver a normalidade à vida de dezenas de mulheres. “Foram dois dias de muito trabalho e muita emoção. Após quase 10 anos fora ‘de campo’, essa semana pude participar do Mutirão do Outubro Rosa no HRT. Foram viárias cirurgias de reconstrução de mamas e retirada de nódulos cancerígenos. Como foi gratificante instrumentar para ajudar a equipe abençoada que se doaram essa semana para ajudar essa mulheres.”.

Vianna lembrou ainda a importância da participação da gestão, de equipes, corpo clínico e demais profissionais que compõem os recursos humanos necessários, envolvidos na realização de tais procedimentos. “Esses são alguns anjos que participaram desse ato de Amor.

Publicidade

Posteriormente irei nominar os profissionais que se envolveram nesse gesto de caridade, da senhorinha da limpeza, técnicos, enfermeiros (as), ao médico(a), cirurgião(ã) plástica, todos deram um pouco de si, até tatuador participou.”, disse ao nominar profissionais e equipes envolvidos os procedimentos.

Mãos à obra

Enfermeiro por formação, em 1o de outubro, Vianna chegou a utilizar a tribuna da Câmara Legislativa do DF (CLDF), para ponderar sobre a necessidade de haver ações efetivas, por parte da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), durante a campanha do Outubro Rosa, para detecção do câncer de mama e do colo do útero, precisa ter efetividade. “Esse mês não fique apenas na publicidade, nas camisetas rosas, nos programas do governo e da Secretaria de Saúde e que fique apenas fazendo as mamografias.”.

Tal crítica foi direcionada a campanhas realizadas em gestões passadas, que em alguns casos se restringiam a promover ações para realização exames de mamografia, com as carretas da mulher. Porém, faltava efetividade, no processo de diagnóstico e tratamento do câncer, quando se conseguia obter o diagnóstico.

“A mamografia é importante demais. Mas precisamos é da nossa punção, para retirar o nódulo, para mandar para a biópsia para fazer o exame e saber se é maligno ou benigno, qual o grau daquele câncer e para tratar o paciente. Ter mutirões para fazer cirurgias e principalmente a reconstituição das mamas, seja parcial ou total. Não precisamos apenas de publicidade, seja de atores, personalidades e de políticos. Precisamos de fato fazer com que a coisa acontece pois temos varias de mulher que tem câncer detectado e que sequer consegue fazer a biópsia.”, disse ao lembrar que uma biópsia custa em média R$ 800 e que espera que o governo seja efetivo ao oferecer tratamento as mulheres do DF.

Outubro Rosa no HRT

A campanha do Outubro Rosa do HRT se deu por meio de mutirão que contou com a participação de voluntários para a realização de cirurgias de reconstrução mamária, retirada de nódulos cancerígenos e realização de tatuagens de aréolas, em mulheres que haviam passado por mastectomia. Ao todo, 75 mulheres devem passar por algum tipo de procedimento.

Fonte: Jorge Vianna