Escs realiza encontro científico de Medicina e Enfermagem 2019

Evento agrega estudantes, gestores e profissionais das áreas acadêmica e assistencial da saúde

Por Patrícia Kavamoto

A Escola Superior em Ciências da Saúde (Escs) promove, até esta sexta-feira (25), o Encontro de Medicina e Enfermagem (EME) 2019. O evento científico reúne estudantes, gestores e profissionais das comunidades acadêmica e assistencial da saúde.

Publicidade

O diretor da Escola Técnica de Saúde de Brasília (Etesb), Nilceu Oliveira, ressaltou a importância do EME no desenvolvimento científico ligado a professores e alunos. “São trabalhos que abordam os cenários de prática e que têm importância significativa no desenvolvimento dos futuros profissionais de saúde. Os alunos, em decorrência desse encontro anual, têm a oportunidade de, verificando os fatos, avaliar seus valores nesta prestação de serviços aos usuários e pacientes do Distrito Federal”, afirmou.

Alunos que cursam até o terceiro ano de Medicina e segundo ano de Enfermagem fazem a exposição das vivências realizadas nos cenários de ensino. “As atividades apresentadas no EME são aquelas desenvolvidas junto ao serviço de saúde e à comunidade, na Atenção Primária. No encontro, elas se moldam sob a forma de relatos de experiências e trabalhos de iniciação científica”, acrescentou o diretor da Escs, Ubirajara Picanço.

Palestras, avaliação de trabalhos científicos, oficinas, roda de conversa e apresentações orais fazem parte da programação. “Há 15 anos trabalhamos com o EME para, além da perspectiva de integração do corpo docente e discente, oferecer a possibilidade de mostrar a produção feita pela escola”, complementou Picanço.

“O EME oferece a oportunidade de compartilhar conhecimento nas áreas de Medicina e de Enfermagem. É o momento em que os alunos têm a possibilidade de apresentar os trabalhos que desenvolveram durante o ano”, comentou o estudante da terceira série de Enfermagem da Escs, José Carlos Pacheco.

Luísa Abreu, estudante do segundo ano de Medicina, classifica o EME como uma grande mostra científica. “Vemos a apresentação dos trabalhos e a repercussão deles nas regiões de saúde. Embora cada uma tenha sua peculiaridade, há pontos de convergência. Às vezes, observamos uma ação que foi desenvolvida e bem-sucedida em uma região, e somos motivados a levá-la para outra, onde a ação também se aplica”, defendeu.

Clique aqui para mais informações sobre o EME 2019.

Fonte: Agência Saúde DF

Artigo anteriorGoverno dá prazo de 20 dias para lançar edital que contratará empresa para gerir plano de saúde do DF
Próximo artigoSubsecretaria de Atividade Psicossocial da Defensoria atende, em média, 500 pessoas por mês