Governo dá prazo de 20 dias para lançar edital que contratará empresa para gerir plano de saúde do DF

803
Print Friendly, PDF & Email

Por Rayane Fernandes 

O projeto que cria o plano de saúde para os servidores públicos do Distrito Federal está prestes a lançar o edital que vai contratar a empresa que fará o gerenciamento do plano. O prazo para o edital, segundo matéria do Correio Braziliense, publicada nesta quinta-feira (24), será de 20 dias. De acordo com o portal, os detalhes do projeto ainda estão sendo finalizados pelo Instituto de Assistência à Saúde do Distrito Federal (INAS).

Em julho deste ano, o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem (Sindate-DF) esteve reunido com o governo para cobrar o plano de saúde para os servidores. Na ocasião o presidente o INAS, Ricardo Perez, já havia informado sobre o lançamento do edital, mas não tinha dado um prazo. Após escolhida a empresa, será a fase de implementação do projeto.

“Agora, com uma data definida, esperamos que o governo cumpra esse prazo e que dê encaminhamento ao projeto para que ele seja implementado o mais rápido possível”, disse o diretor Newton Batista, do Sindate. “Precisamos dar melhores condições de saúde para os nossos profissionais, que estão adoecendo dentro das unidades de saúde do Distrito Federal”, completou.

Coparticipação

O plano será por meio de coparticipação, ou seja, o servidor vai pagar, além da mensalidade, um percentual do valor das consultas, internações ou outras despesas médicas que venha a usufruir. No entanto, será estabelecido um limite de valor a ser cobrado pelo governo por mês para que o servidor não fique endividado. O valor será descontado no contracheque.

Além disso, por se tratar de um modelo de autogestão, a coparticipação permitirá que o valor mensal do plano seja mais acessível. Conforme explicado pelo Correio Braziliense, “os planos de autogestão não têm fins lucrativos e, em média, as mensalidades são 20% mais baratas que as cobradas pelos planos administrados por bancos e seguradoras”.

Com informações do Correio Braziliense

Fonte: Sindate-DF