Força-tarefa de reconstrução mamária resgata autoestima de pacientes no hospital de Taguatinga

229
Print Friendly, PDF & Email

Ao todo, 70 mulheres serão beneficiadas com a ação

Por Nivania Ramos

Rosana Godoy é uma gaúcha de 53 anos, comunicativa e vaidosa. Há 18 anos mora em Brasília, é casada e mãe. Em 2017, Rosana foi diagnosticada com câncer de mama. A cabeleireira é uma das pacientes que está participando da quinta força tarefa de reconstruções mamárias do Hospital Regional de Taguatinga (HRT), que começou hoje (21) e vai até sexta-feira (25).

Publicidade

A abertura solene da 5ª Semana de Reconstrução Mamária do HRT foi um momento de muita emoção, com depoimentos, homenagens e uma vibração do bem que emocionou a todos. A alegria das mulheres e a torcida dos presentes, funcionários, voluntários e as pacientes contagiou cuidadores e pacientes.

“O Outubro Rosa no HRT é especial para o Distrito Federal e para a Região de Saúde do Sudoeste. É uma semana de pleno amor, onde temos os voluntários fazendo acontecer, mudando essa cicatriz que as mulheres carregam”, ressalta a secretária-adjunta de Assistência à Saúde, Lucilene Florêncio.

Ao lado da família, enquanto aguardava a hora da cirurgia reparadora, Rosane conta que só foi possível passar por esse tratamento com o apoio dos parentes e dos amigos. O apoio também veio da rede pública de saúde do Distrito Federal. Para ela, esse atendimento foi um diferencial no tratamento e na superação da doença: “A gente se sente querida, acolhida. Sentimos todo o atendimento bem próximo da gente”, revela.

Na solenidade, a mastologista Josiane Fernandes, uma das idealizadoras do Projeto da Semana da Reconstrução Mamária no HRT, foi homenageada por seus serviços prestados, pioneirismo e cuidados com os pacientes e colegas de trabalho.

Fizeram parte da mesa de abertura gestores da Secretaria de Saúde, de outros órgãos do Governo do Distrito Federal, além do deputado distrital Jorge Vianna.

Alcance

A semana de reconstrução mamária, neste Outubro Rosa da Secretaria de Saúde, é um esforço concentrado de profissionais e voluntários que dedicam suas habilidades, tempo e um atendimento humanizado para acolher as mulheres que já sofreram com um diagnóstico difícil, com dores e incertezas. A expectativa é receber, para a reconstrução, 70 pacientes já mastectomizadas e acompanhadas pela Mastologia do hospital.

“Depois do diagnóstico, vem a quimioterapia, a perda do cabelo, a perda da mama, vários sentimentos, deixando a nossa autoestima muito abalada. Não nos sentimos mais como uma mulher. Essa reconstrução representa tudo. A doença já nos transforma em outra pessoa. Agora, com a mama, vou me sentir outra mulher”, explica a paciente Rosana.

Recuperar a autoestima dessas mulheres, marcadas por tristezas e cicatrizes, é o objetivo da ação e de todos os voluntários envolvidos. A equipe é composta por 38 cirurgiões plásticos, 24 anestesistas, dez enfermeiros, 30 técnicos em enfermagem e muitos outros voluntários, funcionários do hospital e da comunidade em geral, como cabeleireiros, maquiadores, músicos e tatuadores.

Apoio

“Agradeço muito aos familiares, voluntários, aos médicos e à rede pública de saúde do Distrito Federal, pois tivemos muito apoio. Antes, eu tinha aversão à rede pública e hoje eu sei que a gente tem um atendimento bem próximo e humano”, enfatiza a cabeleireira Rosana.

“Mulheres felizes e com a autoestima renovada é algo visível após o atendimento e a reconstrução da mama”, relata a responsável técnica administrativa da Cirurgia Plástica, Isabelle Montanha. “A principal mudança é de postura. A mulher chega triste e desacreditada, sem forças para se olhar no espelho. Com a reconstrução, elas voltam a se olhar e a recuperar a vaidade e a autoestima”.

A entusiasmada Rosana confirma que a reconstrução da mama fará muito bem para ela e outras mulheres na mesma situação. “A primeira coisa é tirar o curativo e me olhar no espelho. É tudo o que eu quero fazer quando chegar em casa. Vou ter meu seio e a minha autoestima de volta, depois de tudo o que passamos e perdemos”, reage.

Portas Abertas

As ações do Outubro Rosa vão continuar durante todo este mês. As unidades básicas de saúde (UBS) e Policlínicas estão de portas abertas acolhendo as mulheres e realizando exames preventivos e mamografia.

A paciente é acolhida em qualquer UBS ou policlínica, independentemente do local onde resida. Cada mulher que passar por consulta terá o retorno agendado e os encaminhamentos garantidos. A expectativa é de realizar 100 mil atendimentos.

Fonte: Agência Saúde DF

Artigo anteriorAlunos da rede pública já estão tendo aulas no curso teórico de obtenção de CNH
Próximo artigoApós cinco anos, Hospital de Base retoma cirurgias cardíacas de peito aberto