Hospitais e ONGs recebem equipamentos comprados com valores de medidas alternativas

136


Print Friendly, PDF & Email

Mais de R$ 24 mil foram destinados para atender demandas de quatro hospitais públicos e duas instituições parceiras

Quatro hospitais públicos do Distrito Federal foram beneficiados com verbas de medidas alternativas. Os hospitais regionais de Planaltina, de Ceilândia, de Sobradinho e Leste (antigo Hospital Regional do Paranoá) receberam equipamentos comprados com verbas de prestações pecuniárias vindas da aplicação de penas alternativas. Outras duas instituições não governamentais, uma que oferece apoio a mulheres com câncer de mama e outra a vítimas de violência doméstica, também foram destinatárias de recursos.

A Promotoria de Justiça de Planaltina realizou a entrega aos projetos “Mão na roda” e “Purificando águas” no hospital da cidade. Para prestar melhor suporte no acolhimento aos pacientes, foram doados sete cadeiras de rodas e três purificadores de água. “É gratificante presenciar valores recolhidos de acusados em processos criminais, beneficiados com a suspensão condicional do processo, serem revertidos em benefício de toda a comunidade da Planaltina”, destacou o promotor de Justiça Igor Magalhães Gaioso.

Reforço no atendimento

sonar ParanoáO Centro Obstétrico do Hospital Regional Leste recebeu dois detectores fetais de mesa, usados para escutar os batimentos cardíacos do feto, e 15 caixas de papel para cardiotocógrafo. O aparelho monitora a vitalidade fetal. Atualmente, são atendidas cerca de 70 gestantes por dia no hospital. A necessidade foi verificada após vistoria realizada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), em maio de 2019.

Publicidade

Macas e cadeiras de rodas foram destinadas ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC), que também foi beneficiado com a reforma do centro cirúrgico do pronto-socorro. Outra unidade de saúde que recebeu doações por intermédio do MPDFT foi o Hospital Regional de Sobradinho, para a aquisição de cadeiras de rodas.

Duas instituições também foram beneficiadas. A associação Recomeçar, que desenvolve trabalho de reabilitação emocional, física e estética com mulheres mastectomizadas em razão do câncer de mama, recebeu recursos para a compra de próteses mamárias. Ao Instituto Proeza, que oferece projetos de geração de renda com vítimas de violência doméstica, crianças e jovens moradores do Recanto das Emas, foi destinada verba para a compra de equipamentos.

Como funciona

O projeto “Nós podemos muito mais” é uma iniciativa da Coordenadoria Executiva de Medidas Alternativas (Cema) do MPDFT que visa destinar recursos às redes de instituições cadastradas. Os valores destinados para as ações de cunho social decorrem de penas alternativas e de multas civis aplicadas em processos judiciais.

Fonte: MPDFT