Técnico em enfermagem do SAMU-DF interpreta Lupicínio Rodrigues durante atendimento a idoso

3900


Print Friendly, PDF & Email

“Mandaram a pessoa certa” sugere colega ‘samuzeiro’ que gravou o vídeo de atendimento ao idoso

Por Kleber Karpov

Um vídeo publicado no aplicativo Whatsapp, na quarta-feira (27/Mar), viralizou com a demonstração do carinho que os profissionais de enfermagem, que levam a profissão a sério, traduzem ao prestar atendimento aos usuários do SUS. Enquanto prestava atendimento a um idoso, o técnico em enfermagem do Serviço de Atendimento Médico de Urgência do DF (SAMU-DF), Flávio, cantarolou, com o paciente, ‘Ela Disse-me Assim’, composição de Lupicínio Rodrigues.

Publicidade

Política Distrital (PD) conversou com Flávio Vitorino Martins da costa, 54 anos, que explicou que o SAMU-DF, foi acionado para atendimento de ocorrência de possível infarto. Ao chegar ao local, se deparou com o “vozinho”, que tem diagnóstico e Alzheimer. “A cuidadora disse que ele se queixou de dor no peito, mas quando chegamos lá, ele disse que estava bem. Então a gente estica o atendimento para ver se consegue identificar se ainda sentia alguma dor ou apresentava algum outro sintoma.”, disse Martins.

Segundo Martins, o “vozinho”, como tem Alzheimer, sugeriu que a dor pudesse ser decorrente da época em que jogava bola, ainda na juventude. “Ele contou que jogou bola e que por isso as vezes tinha dor no peito e na perna. Mas eu disse para ele que isso já tinha 40 anos, que a dor não era por causa do jogo. Então ele falou que gostava de música, então eu cantei para ele.”, disse.

Humanização no atendimento

Martins contou que sempre gostou de música, é diretor da Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro (ARUC) e, antes de ser alocado aos quadros do SAMU, foi lotado na clínica cirúrgica do Hospital Regional de Sobradinho (HRS). “Era costume, na hora de acordar os pacientes, eu os acordava cantando, principalmente, os da ginecologia, sempre tentei trazer isso para meu atendimento.”, explicou.

O técnico em enfermagem do SAMU explicou que a humanização no atendimento quebra paradigmas e cria mais empatia por parte do paciente, durante o atendimento. “A gente tenta humanizar o atendimento. Muitas vezes a gente conta uma piada e reduz essa tensão do atendimento. Se a gente consegue quebrar esse paradigma através de uma piada, um canto isso traz a empatia do paciente e ele colabora. E eventualmente, ele melhora mesmo.”, disse.

Valorização do servidor

Martins lembrou no entanto, que a atual conjuntura política do país, faz em muitas ocasiões, os servidores da Saúde, sejam condenados e taxados, como maus profissionais. “No momento que as condições políticas desse país, as pessoas sempre condenam o servidor público, é importante que a população saiba que o servidor público também é extremamente dedicado, que em muitos casos, tiram dinheiro do próprio bolso para ajudar os pacientes.”.

Referência Nacional

Pós-graduado em urgência e emergência, Martins explicou que no TCC [Trabalho de Conclusão de Curso], estudou o diferencial do atendimento de emergência do SAMU, em todo país. “Descobri que o grande diferencial no DF, se dá porque o SAMU no DF era o único no país que se dedica a ter unidade básica.  60% dos atendimentos nas unidades básicas do SAMU serão realizadas, no próprio local da ocorrência, o paciente é atendido, se for o caso, medicado e fica em casa. O que desafoga os hospitais.”.

Embora sucateado, ao longo da gestão do ex-governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), o SAMU-DF foi considerado, por muitos anos, o melhor serviço de atendimento de urgência do país. Menção essa, apontada, por exemplo, pelo ex-diretor da Diretoria de Assistência às Urgências e Emergências, Ayrton de Castro que, em 2009, declarou, em entrevista ao Jornal de Brasília que, naquele ano, o SAMU-DF foi considerado o melhor do país, pela Coordenação Geral de Urgências e Emergências do Ministério da Saúde.

Ou ainda, no início da gestão de Rollemberg, quando a própria Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF)(Ago/2015), divulgou que o SAMU-DF “é o primeiro serviço móvel a monitorar indicadores”, além de iniciar um processo de acreditação pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação/Joint Comission International (CBA/JCI).

Porém

Desde então, diversas mudanças promovidas pela gestão, sobretudo à partir de 2016, e sucessivas crises, a exemplo da suspensão de cerca de R$ 900 milhões, falta de combustível, oxigênio, auto-pulse, LifeBand [Alça ajustável que cobre toda a caixa torácica], pilha e pá de DEA [Desfibrilador Automático Externo], redução da tripulação e até a contratação de serviço da rede particular, reforçaram denúncias de sucateamento do SAMU-DF.

Melhorias

Por outro lado, em março de 2018, o GDF recebeu um incremento de 23 ambulâncias, provenientes de repasses do Ministério da Saúde e de emendas parlamentar do senador Antônio Reguffe (Sem Partido).

Com o novo governo, e representatividade na Câmara Legislativa do DF (CLDF), por meio do deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), egresso do SAMU-DF, os ‘samuzeiros’, como são popularmente conhecidos, vivem na expectativa de dias melhores, sobretudo à população.

Nesse contexto, Vianna, anunciou na noite de quinta-feira (28/Mar), após reunião com o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), que o Executivo deve tentar obter, junto ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, a doação de um helicóptero para o SAMU-DF. Isso porque o governo federal detém a posse de aeronaves apreendidas em operações capitaneadas pelo Ministério da Justiça.

O parlamentar levou ao governador, o pedido do helicóptero para o SAMU-DF, demanda essa que surgiu, à partir de debates do parlamentar com os profissionais do SAMU-DF. “Se o governador conseguir com o ministro Moro, o helicóptero vai auxiliar o SAMU tanto em operações de atendimento de urgência, quanto no transporte de órgãos para doação.”, explicou Vianna.

SAMU-DF

De acordo com a SES-DF, atualmente o SAMU-DF conta com um quadro efetivo de 800 servidores e uma frota de 39 veículos. Dessas, 30 ambulâncias 30 básicas, e 22 motolâncias. Segundo a Pasta, em dezembro de 2018, o serviço recebeu 68 mil ligações, todas com atendimento médico.