Servidores expõem insatisfação com Ibaneis após impedimento de reajuste salarial

543


Print Friendly, PDF & Email

A declaração do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, de que não haverá reajuste para os servidores públicos neste ano, causou indignação entre os trabalhadores do Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF (Sindsasc). A categoria reivindica o pagamento retroativo da terceira parcela do reajuste salarial, concedido por lei, em 2015.

A insatisfação com a nova gestão do GDF aumenta depois de declarações do próprio Executivo de que o pagamento seria concedido. Para o presidente do Sindsasc, Clayton Avelar, o governador  tem surpreendido negativamente a população, principalmente os servidores públicos. “Durante a campanha foi prometido o pagamento da dívida do reajuste dos servidores. Em seguida, foi dito que o pagamento começaria em março, e , agora, ele afirmou que não vai nos pagar o que nos é devido há 40 meses ainda neste ano.

O líder sindical afirma que a reivindicação da categoria não significa um pedido de reajuste e, sim, apenas o pagamento de uma dívida com a categoria. O Sindsasc reforça que está aberto ao diálogo, assim como vem sendo feito desde janeiro com representantes do Executivo local. “Uma negociação só acontece, de fato, quando o governo formaliza uma proposta, o que precisa ser feito por meio de um documento oficial. Diante do descumprimento do nosso plano de carreira não está descartado um indicativo de greve”, afirma Avelar.

Maior greve de servidores do GDF
Em 2018, os trabalhadores da assistência social e cultura mobilizaram a maior greve já realizada por servidores do GDF. A paralisação durou 83 dias e tinha como uma das principais reivindicações o pagamento da terceira parcela do reajuste salarial concedido em 2015.

Fonte: Ascom Sindsasc

Publicidade