Internada com AVC, desde segunda (11), Secretaria de Saúde consegue leito para aposentada

140
Print Friendly, PDF & Email

Aposentada de 69 anos está internada no HBDF, sob gestão do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF  

Por Kleber Karpov

Internada na noite de segunda-feira (11/Mar), no Hospital de Base do DF (IHBDF), sob gestão do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF), vítima de um AVC isquêmico que atingiu 50% do cérebro, nesta quinta-feira (14/Mar), a professora aposentada, Gislene Maria de Almeida, de 69 anos, deve ter acesso a um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O caso ocorre, após denuncias à imprensa, devido a demora na transferência de dona Gislene, mesmo com decisão judicial que garante o atendimento à paciente. Além de dificuldade relatada por médico, de realizar a inserção do nome da usuária do SUS no Sistema de Regulação (SISREG), da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF).

Publicidade

O que diz a SES

Questionada sobre o assunto, a SES-DF informou, por meio da Assessoria de Imprensa, que já houve, nesta quinta-feira (14/Mar), a liberação de leito de UTI para dona Gislene, no próprio HBDF, a ser transferida, nas próximas horas.

A pasta alega ainda, que a regulação da paciente ocorreu no SISREG para internação na UTI ocorreu as 2h22, e a judicialização foi deferida pela Justiça, as 6h59, da quarta-feira (13/Mar). “Ela foi regulada para internação intensiva às 2h22 de quarta-feira (13) e judicializada às 6h59 do mesmo dia.”, explicou.

A SES-DF ainda, que, embora internada no HBDF, sob gestão do IGESDF, a regulação de leitos de UTIs, por parte da Secretaria de Saúde, abrange toda rede pública de Saúde, além de hospitais privados. E que na quarta-feira (13/Mar), 81 pacientes estavam regulados, no aguardo de vagas, em todo sistema de regulação da Rede.

 

“A regulação mantém as buscas ativas para encontrar um leito com o suporte que a paciente necessita, no menor prazo possível. Essas buscas ocorrem tanto nas unidades da rede pública, quanto em hospitais privados. A pasta esclarece que as vagas para internação em leito de terapia intensiva são reguladas por meio do Complexo Regulador. A disponibilização dessas vagas para os pacientes que aguardam UTI ocorre de acordo com a prioridade clínica de cada caso. Todos são avaliados periodicamente e classificados na escala de prioridade. Também se leva em conta o tipo de suporte de UTI necessário ao quadro clínico. As vagas são ofertadas em rede e não por unidade.”.

Leitos disponibilizados

A SES-DF informou também que a Pasta divulga relatório, atualizado, com a situação dos leitos de UTIs disponibilizados pela rede pública. “Diariamente a Secretaria de Saúde divulga no site um relatório com a situação de todos os leitos de UTI disponibilizados pela rede pública, sejam eles próprios, conveniados ou contratados. O relatório também informa data e horário em que cada leito foi ocupado ou vago.”,

Confira aqui o link com o relatório de quarta-feira (13).

Medo

Com dois meses e meio de gestão, do governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), a população do DF, mesmo após a mudança do Instituto HBDF, para IGESDF, que absorbeu, além da gestão do Hospital de Bse, do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do DF, ainda convive com o medo dos recorrentes casos, tanto de falta de leitos de UTI, quanto dos descumprimentos de decisões judiciais, tão acentuados no governo do antecessor, Rodrigo Rollemberg (PSB).

Com cerca de dois meses de mudança do antigo Instituto Hospital de Base do DF (IHBDF) para IGESDF, resta à população aguardar para confirmar a promessa de melhoria concreta nos atendimentos, por parte do Instituto, na atual gestão da Saúde e do GDF.