Farmácias de alto custo de Ceilândia e 102 Sul recebem visita do secretário

151


Print Friendly, PDF & Email

Por Alline Martins

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, fez, nesta sexta-feira (22), uma visita a duas das três farmácias do componente especializado, mais conhecidas como farmácia de alto custo, para um diagnóstico da situação de cada uma delas. A primeira unidade visitada foi a de Ceilândia, onde há o maior número de pacientes cadastrados, seguida da farmácia da estação do metrô da 102 Sul, a mais antiga da rede.

“Ao passar pelas duas unidades, pude perceber uma falta de infraestrutura e também de pessoal. As farmácias estão em locais improvisados, não apropriados para atender ao público”, observou o secretário.

Na farmácia de alto custo de Ceilândia, onde 12 mil pacientes estão cadastrados, os aparelhos de ar condicionado estão quebrados, tornando o ambiente insalubre tanto para servidores quanto para os pacientes. Já na 102 Sul, apesar da estrutura melhor, faltam guichês para ampliar o atendimento aos 11 mil pacientes cadastrados.

“O sistema utilizado para dispensação de medicamentos também é ruim e acaba atrasando o nosso atendimento. Se ele fosse trocado, já conseguiríamos reduzir em muito o tempo de espera dos pacientes dentro das unidades. Em algumas, este tempo chega a cinco horas”, frisou a gerente de Componente Especializado, Priscila Torres, que acompanhou o secretário de Saúde nas duas visitas.

Publicidade

Segundo Osnei, a troca do sistema informatizado é uma das prioridades para as farmácias de alto custo. “Nós tanto podemos comprar um sistema ou usar algum de outro Estado. Estamos estudando a possibilidade de utilizar o do Paraná, que tem dado resultados. Com a mudança do sistema, poderemos fazer o agendamento para a dispensação e acabar com as filas. E também conseguir fazer o controle de estoque da forma correta”, complementou.

Com relação à infraestrutura, o secretário de Saúde diz ter preferência pela construção de novos espaços em vez de reformar as velhas estruturas. “Não adianta ter um gasto com algo temporário. Melhor que se faça algo correto e definitivo. Vamos estudar o uso de emendas parlamentares para isso”, adiantou.

SERVIDORES – Nas duas unidades visitadas, os servidores tiveram a oportunidade de expor ao secretário, que é farmacêutico por formação, as demandas da categoria e de seus locais de trabalho.

Entre os pedidos estavam melhorar a infraestrutura com a chegada de computadores e mobiliário e gratificações. “Estamos verificando como pagar gratificação por produtividade. Tudo está sendo avaliado junto à Subsecretaria de Gestão de Pessoas”, acrescentou Osnei Okumoto.

Fonte: Agência Saúde DF