Rollembergmente: TRE-DF descobre erro de Rollemberg em pedido de direito de resposta

343

Print Friendly, PDF & Email

Desembargadora verificou no Portal da Transparência que atual gestão empenhou, somente neste ano, R$ 24,6 milhões em diárias e passagens

Por Caio Barbieiri / Manoela Alcântara

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) não só recusou, nessa quarta-feira (26/9), pedido de urgência da coligação de Rodrigo Rollemberg (PSB) para tirar do ar propaganda de Eliana Pedrosa (Pros) como validou as informações apresentadas pela ex-distrital na campanha.

Publicidade

Na ação, a defesa do governador argumentou que a adversária veiculou informação “inverídica” ao afirmar que a atual gestão teria usado, somente em 2018, mais de R$ 23 milhões em passagens aéreas e diárias. De acordo com os advogados do socialista, uma “simples consulta ao Portal da Transparência do DF permite observar que o montante empenhado foi de apenas R$ 11.281.463,45”.

No entanto, na sentença, a desembargadora eleitoral Diva Lucy de Faria Pereira afirmou que não foram juntadas na ação informações substanciais ou mais elementos que provassem a tese da defesa. Na dúvida, a magistrada resolveu entrar no site apontado pela banca de Rollemberg “de modo a aferir a clareza e eficiência com que dados de execução orçamentária são ali divulgados”. Na pesquisa ao portal, ela encontrou os mesmos dados informados na propaganda alvo de questionamento.

Constatei então em Despesa – Diárias, Passagens e Despesas com Locomoção 2018 – o empenho de R$ 24.668.083.58

Com a comprovação de que os dados apresentados pela ex-deputada estavam corretos e considerando a inexistência de “provas com aptidão para conferir verossimilhança à narrativa inicial”, a magistrada indeferiu a tutela de urgência requerida pela coligação de Rollemberg. A banca do governador ganhou um dia para apresentar resposta. Depois, o caso será encaminhado ao Ministério Público.

REPRODUÇÃO

Trecho da decisão do TRE-DF – Foto: Reprodução

“Custoso caminho”

A desembargadora Diva Lucy Pereira também registrou na decisão críticas ao sistema do GDF ao pontuar que foi preciso navegar “entre um emaranhado de categorias e subcategorias, elementos e subelementos” para encontrar os dados. Para a magistrada, “o custoso caminho […] afasta a tese de que estamos a tratar de fato claro, simples e acessível ao conhecimento de todos”.

“Falta ao ambiente virtual a necessária singeleza e facilidade de utilização para permitir alcançar com essencial clareza e transparência a informação buscada relativamente a gastos efetivados com recursos públicos. Logo, a falta de confiabilidade na interpretação dos dados informativos ali colhidos se deve ao modo de construção do instrumento, não ao intérprete a quem falta condições de apreender a intricada estrutura informativa do Portal da Transparência do Distrito Federal.”

Veja decisão na íntegra:

Processo Judicial Eletrônic… by on Scribd

Por Metrópoles

Artigo anteriorPolícia abre inquérito para investigar morte de paciente do Instituto Hospital de Base do DF
Próximo artigoEstratégia de Rollemberg sai pela culatra e segundo turno no DF deve ficar entre Eliana (21%) e Ibaneis (20%)