Conselheiro da Saúde do DF critica corte de jantar de servidores no plantão

225
Print Friendly, PDF & Email

Segundo ele, trabalhadores da pasta estão em situação análoga à escravidão, ficando, em certas escalas, sem alimentação por mais de 14 horas

Após a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) cortar refeições noturnas e o café da manhã para plantonistas em unidades hospitalares públicas de toda a capital, o conselheiro de saúde do Hospital Regional do Gama (HRG), Williamar Dias Ribeiro, entrou com representação na pasta para criticar a medida, cobrar explicações e pedir mudanças.

Segundo o documento, médicos, enfermeiros, auxiliares, técnicos e demais profissionais plantonistas dos hospitais estão sendo privados de sua alimentação e, em consideração à peculiaridade do serviço de plantão, impossibilitados de se ausentar da unidade de saúde para realizar refeições.

Publicidade

“Estamos condicionados a situação análoga à escravidão. A prática está ocorrendo há cerca de quatro meses, desde que o governo mudou o contrato com as empresas de alimentação. Os trabalhadores que fazem plantões de 18 horas ficam por um período de até 14 horas sem comer nada”, explicou Williamar.

A decisão da SES está respaldada na Portaria n° 501.28/2018. Aos plantonistas que cumprem regime de 12 horas, foi cortado o direito de jantares e lanches diários. Apenas a ceia foi mantida, segundo o documento firmado pelo diretor administrativo André Luiz Correa da Silva.

A Controladoria-Geral do Distrito Federal argumenta que os profissionais da pasta recebem o benefício em duplicidade: no contracheque e nas unidades de saúde.

Leia a íntegra do documento:

Circular Sanoli – Portaria … by on Scribd

“Esse lanche é considerado fraco. Só uma sopa ou massa. Você come e fica com fome. Não sustenta”, disse o conselheiro Williamar. “Entreguei a representação, e a SES-DF me respondeu que optaram por fazer uma licitação com apenas uma alimentação por turno. Eles estão desrespeitando a legislação trabalhista. Isso é ilegal”, completou.

Veja a representação:

Representação Conselheiro d… by on Scribd

Justiça
Newton Batista, diretor do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate), explicou que a categoria também entrou com ações judiciais junto ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) para rever os contratos.

“Essa medida tem refletido diretamente no serviço dos trabalhadores. Questionamos judicialmente, mas, segundo o governo, a medida tomada é para conter gastos. Não foi adotada nenhuma providência pelos órgãos competentes. Ainda aguardamos decisões favoráveis.”

O outro lado
Procurada pela reportagem, a Secretaria de Saúde do DF esclareceu que o contrato de fornecimento de refeições para servidores plantonistas é anterior a Lei 6.137/2017, que autoriza plantões de 18 horas. Contudo, a SES prepara um aditivo contratual para atender às necessidades desses profissionais.

Ainda segundo a pasta, é importante destacar que as refeições são servidas apenas nos períodos em que o servidor não pode sair ou ausentar-se do serviço para alimentar-se. Nesse sentido, com vistas à racionalização de custos, as refeições realizadas na entrada e na saída do plantão foram retiradas porque o servidor tem condições de alimentar-se fora da unidade em que trabalha.

“A ceia foi reforçada e atende aos parâmetros nutricionais e calóricos diários estabelecidos no Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), instituído pela Lei nº 6.321/76”, informou por meio de nota. 
Artigo anteriorGDF vai nomear 330 servidores na Saúde. Entre eles, 200 médicos
Próximo artigoPolícia abre inquérito para investigar morte de paciente do Instituto Hospital de Base do DF