Valmir Campelo desiste da disputa ao GDF para 2018 e critica sistema político

616


Print Friendly, PDF & Email

Ex-ministro do TCU aponta inversão de valores ao se priorizar interesses pessoais na escolhas de nomes para governar o DF

Por Kleber Karpov

O ex-ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), e ex-deputado federal, Valmir Campelo, em carta aberta anunciou, nesta segunda-feira (26/mar), a desistência de disputar as eleições desse ano. Campelo chegou a se filiar ao PPS, onde lançou a pré-candidatura ao GDF (Jun/2018).

Em carta aberta, Campelo observou observou que o PPS tem duas biografias, fichas limpas, para uma disputa majoritária e criticou os interesses pessoais por trás dos comandantes de composições para disputa eleitora, em detrimento dos interesses da cidade.

“Infelizmente, nosso atual sistema político, assim como os maiores expoentes que o representam colocam em segundo plano o histórico das pessoas, a biografia, a capacidade de realização, a ficha limpa; tudo em detrimento dos próprios projetos e do interesse pessoal. Em virtude disso, certo estou de que não teremos nas urnas a tão esperada renovação almejada por todos. Aos entrantes e aos sem mandatos não será dado espaço ou oportunidade.”, afirmou.

Publicidade

Confira a carta na íntegra:

Carta aberta aos Familiares, Amigos e, em especial, à Executiva e ao Diretório do PPS no Distrito Federal:

Prezados Amigos,

Nos últimos meses, revivi intensamente a atividade partidária. Nesse período, fui acolhido pelos companheiros do PPS, que sempre de forma muito digna me receberam. Não tenho palavras para expressar minha gratidão pelo respeito e consideração que me foram dispensados nos meses passados.

Infelizmente, nosso atual sistema político, assim como os maiores expoentes que o representam colocam em segundo plano o histórico das pessoas, a biografia, a capacidade de realização, a ficha limpa; tudo em detrimento dos próprios projetos e do interesse pessoal. Em virtude disso, certo estou de que não teremos nas urnas a tão esperada renovação almejada por todos. Aos entrantes e aos sem mandatos não será dado espaço ou oportunidade.

Nesse sentido, o PPS conta com dois nomes, duas biografias que deveriam somar em qualquer composição política que busque o bem de Brasilia, mas, ao contrário disso, e por mais incrível que pareça, tal circunstância torna-se um obstáculo.

A maioria dos dirigentes partidários não está preocupada com as biografias, com a densidade eleitoral, mas sim em garantir seu próprio espaço, garantir sua reeleição, enfim, pensar em seus interesses próprios antes de mais nada. Uma verdadeira inversão de valores.

Diante disso, percebi a impossibilidade de o PPS coligar-se com outros partidos por possuir em seus quadros dois nomes que teriam capacidade de concorrer a cargos majoritários. Assim, o sentimento que deveria servir de orgulho transforma-se em complicador nesse atual modelo que coloca os presidentes de partidos políticos como os grandes eleitores de um sistema político falido.

Por tudo até aqui exposto, e por respeitar a precedência do Senador Cristovam Buarque, que está no curso de seu mandato e, mais do que isso, tem mais tempo de partido do que eu, decidi, após muita reflexão e pesar, desistir de disputar qualquer cargo eletivo nas próximas eleições. Dessa forma, abro espaço para o partido, que sempre com muita lealdade me acolheu, realizar com total liberdade a composição que julgar a mais acertada para Brasilia, sem ser um obstáculo para isso.

Com imensa gratidão a todos que me acompanharam nessa caminhada até aqui, e, em especial, ao Presidente Nacional do PPS, Roberto Freire, e ao Presidente do partido no DF, Francisco Andrade, o meu fraterno abraço.

Valmir Campelo