SindMédico: lança, na quinta (8), no CineMédico, Documentário que mostra a realidade do SUS-DF

“E se eu precisar da Saúde? Eu me sinto totalmente desamparada”. 

A frase, extraída do documentário “Profissão Médico no DF – Entre o Caos e a Esperança”, que será lançado na próxima quinta-feira (08/03), às 20h30, no shopping Pier 21, é um resumo das várias histórias que o curta-metragem leva aos espectadores: uma síntese, de aproximadamente 20 minutos, da atual situação da Saúde Pública do Distrito Federal.

Produzido pelo movimento Saúde Agora, idealizado pelo médico Dr. Gutemberg com o objetivo de resgatar a saúde pública do DF, o documentário é narrado pelos próprios personagens que enfrentam o dia a dia caótico dentro dos hospitais e unidades de saúde, ou seja, pacientes e médicos. Por isso, o curta convida os espectadores a uma reflexão sobre o papel do poder público no que diz respeito ao resgate do SUS.

Publicidade

“Não tenho dúvidas que se você tiver um governante preocupado e comprometido com a assistência à saúde, que tenha capacidade de trabalho, planejamento estratégico avaliação de desempenho, cumprimento de metas e, acima de tudo, compromisso com os servidores, com a sociedade e com o cidadão, as coisas vão melhorar ”, ressalta, no documentário, Dr. Gutemberg.

Apoiadores

O documentário “Profissão Médico no DF – Entre o Caos e a Esperança” só foi possível graças ao suporte do movimento Saúde Agora, que propõe soluções para o caos da saúde pública do Distrito Federal. O idealizador do projeto, Dr. Gutemberg, é médico há 30 anos e vem sendo, nos últimos anos, protagonista nas batalhas pelo resgate do SUS-DF. O movimento Saúde Agora foi criado a partir da união e apoio de diversas entidades médicas, do direito, empresariais, veículos de imprensa e da sociedade civil, entre elas o SindMédico-DF, a Fenam, a CNM, a ANMB, a Record DF TV, o Jornal Brasília Capital e o Jornal Ceilândia em Foco.

Artigo anteriorSecretaria de Saúde do DF homologa resultado de concurso com 337 vagas para médicos
Próximo artigoUm mês após queda de viaduto, Laerte Bessa cobra punição dos responsáveis