Sindicatos divergem sobre destinação de recursos do IPREV para uso na máquina pública

437
Print Friendly, PDF & Email

Mas entidades convergem sobre manobra para entrega de recursos do IPREV à Rollemberg

Por Kleber Karpov

O votação, na tarde de segunda-feira (15/Jan), na Câmara Legislativa do DF (CLDF), que transferiu R$ 1,4 bilhão de recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do DF (IPREV), para créditos à Lei Orçamentária Anual 2018 (LOA), dividiu opinião entre os sindicalistas. Algumas entidades consideraram um erro a transferência do pagamento das aposentadorias para custeio e realização de obras, sobretudo por considerar uma manobra meramente eleitoreira. Mas outras, comemoraram por conseguirem ‘salvar’ parte do montante com nomeações e pagamentos de pecúnias.

Esses foram os casos de alguns sindicatos, a exemplo dos sindicatos dos Médicos do DF (SINDMÉDICO-DF), dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (SINDATE-DF) e dos Empregados em Estabelecimento de Saúde do DF (SINDSAÚDE-DF). Outros por sua vez

Ao Política Distrital (PD), o presidente do SINDMÉDICO-DF, Gutemberg Fialho, se posicionou “radicalmente contrário” a utilização de recursos dos servidores públicos pelo governo.

“O governo teve três anos para fazer gestão. Ele [Rollemberg] deveria ter reduzido gastos, aumentado a receita, mas não teve competência para fazer nada e agora quer utilizar os recursos dos servidores públicos para fazer alguma coisa.”,  disse ao mencionar se tratar de “uma manobra meramente eleitoreira”, concluiu Gutemberg Fialho.

O vice-presidente do SINDATE-DF, Jorge Vianna, por sua vez criticou o que considerou mais uma “manobra bem sucedida do governo” em relação a transferência de recursos do IPREv para custeio da máquina pública.

“O Sindate acompanhamos a votação e, já esperávamos isso. Infelizmente, creio que o funcionalismo público possa dizer adeus aos recursos do IPREV e, não tenho dúvidas, que teremos problemas, lá na frente, no futuro, com muitos embates para garantir o pagamento das aposentadorias. Por outro lado, ao menos com a pressão dos sindicatos, garantimos que parte dos recursos que iriam para o senhor governador fazer publicidade, sejam revertidos para pagar as pecúnias e nomear servidores na saúde e em outras áreas.”, disse Vianna.

Para o SindSaúde-DF, o pacote de bondades deve ser visto com suspeitas, de acordo com a presidente da entidade, Marli Rodrigues. “O que houve foi um golpe ao IPREV. Agora, não podemos deixar que esse governo incompetente aplique mais um golpe ao servidor e à população. É nosso suor que está sendo destinado para a manutenção da máquina pública. Querem maquiar um governo de três anos de tragédias. Estamos de olho para que esse dinheiro não tome rumos desconhecidos”, afirma a sindicalista.

Por outro lado

Mesmo ao assumirem posições contrárias, outras entidades deram os recursos como ‘perdidos’, com a aprovação da votação por parte da CLDF. Posições parecidas foram defendidas entre os sindicatos dos Professores do DF (SINPRO-DF), dos Enfermeiros do DF (SINDENFERMEIRO-DF), dos Técnicos e Auxiliares em Laboratório do DF (SINTRALAB-DF).

“Somos contrários. Ocorre que o estrago foi feito no momento em que a Câmara aprovou. Agora é só a consagração. Estamos disputando parte do recurso para o pagamento da pecúnia da licença prêmio. É o mínimo que se espera desse governo.”, disse a diretora do SINPRO-DF, Rosilene Correa.

Tal posição também foi defendida pela presidente do SINDENFERMEIRO-DF, Dayse Amarilio. Em um vídeo publicado na rede social, Facebook a sindicalista, comemorou os recursos para a nomeações de 200 enfermeiros, além do direcionamento de recursos para custear as pecúnias dos aposentados.

“Não existia nada, nenhuma emenda, nenhuma rubrica destinada para alguma categoria específica. Mas nós tínhamos um acordo com o colégio de líderes, com alguns deputados da base e que nos prometeu. Nós estamos mostrando o déficit, mostrando as nomeações e nós conseguimos a nomeação de 200 enfermeiros.”, disse Dayse Amarilio.