Hélio José reafirma atuação no Senado em prol do servidor público e dos trabalhadores

145
Print Friendly, PDF & Email

O governo Temer e a atual legislatura no Congresso Nacional tem atuado firmemente no sentido de retirar direitos da população menos favorecida e, principalmente, dos servidores públicos. A agenda política e governamental, no quadriênio 2014/2018, tenta impor mudanças drásticas que atingem sobretudo os trabalhadores. As reformas trabalhistas e da previdência, a Medida Provisória (MP) 875/2017, a Proposta de Emenda a Constituição (PEC) 287/2017 e ainda o Projeto de Lei do Senado 116/2017 são exemplos combatidos pelo Senador Hélio José (PROS-DF).

Engenheiro eletricista e servidor público concursado do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, o senador Hélio José, líder do PROS no Senado Federal,  dedica o mandato,  para defender os interesses do povo. Mas o parlamentar também tem forte atuação na defesa dos interesses dos servidores públicos.

CPI x Reforma da Previdência

Publicidade

Enquanto relator da Comissão Parlamentar de Inquérito da Previdência (CPIPREV), Hélio José cumpriu a promessa de abrir a ‘caixa preta’ do sistema previdenciário brasileiro. Após realização de dezenas de audiências públicas e reuniões com os diversos atores envolvidos na questão da previdenciária, o relatório final foi aprovado por unanimidade e categórico ao afirmar que a previdência não é deficitária.

Hélio José considera que o relatório final da CPIPREV foi fundamental para barrar, na Câmara Federal a Reforma da Previdência, imposta pelo Governo Federal. Crítico em relação à essa postura, o senador alerta que os congressistas não podem endossar a tentativa de o Executivo tentar ‘meter a mão’ no boldo dos trabalhadores, para cobrir o ‘rombo’ no sistema previdenciário.

“Não podemos admitir, em nenhuma hipótese, que os servidores públicos paguem pela a falta de gestão do governo federal e dos gestores da Previdência Social. Se temos um rombo na Previdência, ele foi ocasionado pelos perdões de dívidas à grandes corporações, descontos em refinanciamentos de dívidas parceladas, e ineficiência na cobrança de empresas como a JBS, que deve mais de R$ 2 bilhões à previdência. Conseguimos barrar a reforma da previdência com a CPI da Previdência e os trabalhadores precisam se unir para impedir que essa pauta, neste momento, volte a ser apreciada na Câmara dos Deputados”, advertiu Hélio José.

Reforma trabalhista

O senador também se posicionou contrário à Reforma Trabalhista ao votar contrário a aprovação do texto original encaminhado pela Câmara dos Deputados, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal (Junho).

Na época Hélio José, ainda filiado no PMDB e vice-líder do governo chegou a sofrer retaliações por parte do Governo Federal. O então superintendente da Superintendência do Patrimônio da União no DF (SPU-DF), Nilo Gonsalves foi exorado do cargo, o que para o parlamentar foi uma perda inestimável à população do DF, em relação a outra demanda, a regularização fundiária.

MP 875/2017 e PEC 207/2017

Na quinta-feira (9), Hélio José criticou a outras ‘investidas’ contra o funcionalismo. Uma delas a MP 875/2017 que propõe o adiamento, por um ano, à correção do salário dos servidores públicos, além de aumentar a contribuição previdenciária de 11% para 14%. A PEC 287/2017, por sua vez, aumenta o tempo de contribuição dos servidores públicos e cria novas regras para as aposentadorias dos servidores públicos.

Para o parlamentar, ambas as proposições são prejudiciais e lesivas aos servidores públicos e, “mais uma tentativa de o Executivo retirar direitos adquiridos desses trabalhadores para tentar cobrir rombos provenientes de falta de gestão do poder público”.

PLS 116/2017

Outra demanda que Hélio José se manifestou contrário é o PLS 116/2017, recentemente aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal. O PLS  116 dispõe sobre a avaliação periódica dos servidores públicos da União, Estados e Municípios, e sobre casos de exoneração por insuficiência de desempenho.

O parlamentar pondera que embora o PLS possa ter por objetivo a punição de maus servidores, na verdade se trata de um mecanismo que pode ser “extremamente nocivo ao funcionalismo público”.

“Primeiro por abrir brechas para que, indicações políticas compostas por ‘pseudo-gestores’ possam punir servidores públicos de forma indiscriminada e abusiva. Segundo por abrir precedente de exonerações em massa de servidores, em todo país, para criar cabides de empregos de cunhos meramente políticos, de pessoas sem compromisso com a prestação de serviço à sociedade brasileira ou com a coisa pública”.

Cautela

O senador Hélio José, nos diversos encontros com representantes dos servidores públicos, admite haver crise financeira no país, mas reitera que essa conta não deve ser cobrada do servidor público e da sociedade brasileira.

“A crise fiscal por que passa o País é, sobretudo, uma crise de arrecadação. A arrecadação caiu em função da crise econômica. Mas a queda da arrecadação se dá também em função do perdão de dívidas e descontos em refinanciamento de dívidas que acabam dizendo aos bons pagadores que eles são bobos porque pagam em dia, melhor vida têm os maus pagadores e devedores contumazes. É uma crise agravada por causa de uma gestão incorreta e pendurar a crise nas costas do servidor público não resolve o problema, apenas agrava a situação”, afirmou Hélio José.

Fonte: Ascom Hélio José

Artigo anteriorTCDF determina anulação de concurso público da Câmara Legislativa do DF
Próximo artigoPaciente aguarda no Hospital de Base, por mais de 60 dias, por um implante de marcapasso?