Rollemberg deixa de pagar terceirizados e coloca acompanhantes de pacientes para fazer limpeza em hospital?

105


Print Friendly, PDF & Email

Governador meteu as mãos nos recursos do IPREV sob argumento de, entre outros, pagar fornecedores mas, em greve, profissionais de limpeza terceirizados cobram salários atrasados

Por Kleber Karpov

Com os profissionais de limpeza das unidades de saúde, em greve, acompanhantes ‘põem as mãos à obra’ para garantir que os familiares permaneçam internados em ambientes salubres. O problema ocorre após o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, ter garantido que os recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do GDF (IPREV) seriam utilizados para pagar, entre outras demandas, os prestadores de serviços.

Política Distrital (PD) recebeu um vídeo em que uma acompanhante de paciente, não identificada, de luvas e com um rodo nas mãos, no Hospital Regional de Brazlândia (HRBz) fez a limpeza da enfermaria de modo a garantir que uma parente permanecesse internada em ambiente limpo.

No vídeo, a acompanhante da paciente fala sobre as condições do hospital de Brazlândia, e fala sobre a falta de pagamento dos profissionais de limpeza do hospital.

Publicidade

“Não isso aqui tá uma pouca vergonha, tá vendo aí? Os corredor tudo sujo. Se não limpar aqui né? Fazer o quê? O Rollemberg não deposita o dinheiro do pessoal da limpeza. Os acompanhantes têm que limpar. É difícil viu. Você vem acompanhar o paciente que está doente aí ainda chega o hospital todo sujo.”, disse.

Sindlimpeza

Com assembleia agendada para a próxima quarta-feira (22/Nov), o Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio, Conservação, Trabalho Temporário, Prestação de Serviços e Serviços Terceirizáveis no DF (SINDISERVIÇOS-DF), observa que a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) está em atraso desde o 5o dia útil desse mês.

Ainda segundo o SINDISERVIÇOS-DF, A SES-DF está com atraso de pagamento das empresas Ipanema e Dinâmica e, essas por sua vez deixa de pagar cerca de 1,5 mil funcionários. Com isso, a paralização iniciada na terça-feira (14/Nov) atinge cerca de 12 unidades de saúde em todo DF.

Absurdo

Na rede social, Facebook, o diretor do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (SINDATE-DF), Jorge Vianna, lembrou que o GDF saiu do limite prundencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e que, em tese, Rollemberg deveria ter recursos para pagar os fornecedores. Ao PD, Vianna reforçou a crítica.

“O que mais falta acontecer na Secretaria de Saúde? Falta de medicamento, de equipamentos, cirurgias, pessoal, compreensão da população com servidores. Semana passada tivemos uma tentativa de agressão de uma pessoa em uma unidade de saúde, em momento de desespero, puxar uma faca para um servidor. Agora a população está fazendo limpeza no hospital. A que pontos vamos chegar? Agora não tem mais, como o senhor Rollemberg mentir para a população. O GDF saiu do limite da LRF, Rollemberg meteu a mão nos recursos do IPREV, das aposentadorias dos servidores, com o discurso que ia pagar servidores do GDF, os contratos temporários e os fornecedores. E agora? Agora a população está sentindo na pele ao que parece ser mais uma mentira desse governo, mais uma mentira desse governador.”, disparou Vianna.

Vianna também criticou a falta de gestão por parte do secretário de Estado de Saúde do DF, Humberto Lucena Pereira da Fonseca.

“Para nós do Sindicato, tudo isso só corrobora com o que a gente sempre fala. A Secretaria de Saúde, não está fazendo uma gestão de qualidade, não está fazendo uma gestão responsável. Massacra os servidores com calotes e cortes de direitos, tenta jogar a população contra nós anunciando serviços ‘meia solas’, como o Pronto Atendimento Infantil no Hospital do Gama e o Programa Saúde da Família cheio de problemas, enquanto deixa a população morrer com mortes evitáveis, algo que temos denunciado com mais frequência que gostaríamos. Mas, agora, além dos servidores, como a máscara desse governador e do secretário começaram a cair, a população começa a enxergar que na verdade, temos uma secretaria de saúde, acéfala e totalmente sem gestão.”, disparou, “mas falta pouco para 2018”, concluiu Vianna.

 O que diz a SES

Em contato com a SES-DF, sugere que a higienização nas unidades de saúde do DF, “não serão prejudicados, uma vez que o efetivo mínimo de 30% dos funcionários estão trabalhando.”.

A SES-DF afirma ainda que “trabalha para quitar a dívida e está aguardando dotação orçamentária para realizar o pagamento. A previsão é que o pagamento seja realizado até o fim da semana”.

Com informações de Sindilimpeza-DF