Servidores do HMIB e Hospital de Base reclamam falta de pagamento de Horas Extras de janeiro

73


Print Friendly, PDF & Email

“As unidades encaminharam a documentação para registro e pagamento das horas extras fora do prazo determinado”, afirma Secretaria de Saúde

Por Kleber Karpov

Servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) lotados nos hospitais de Base do DF (HBDF) e Materno Infantil (HMIB) acionaram Política Distrital (PD) para reclamar a falta de pagamento das Horas Extras, em atraso desde janeiro.

PD acionou a SES-DF, para apurar o problema e a SES-DF confirmou a queixa dos servidores. Por meio da Assessoria de Comunicação a Pasta informou que “as unidades encaminharam a documentação para registro e pagamento das horas extras fora do prazo determinado. O servidor que não recebeu o crédito deve tirar as dúvidas no núcleo de pessoal de sua unidade de lotação.”.

Descaso e falta de gestão

Publicidade

PD conversou sobre a ‘perda de prazo’ por parte dos gestores que atuam no HMIB e no HBDF sobre o assunto com o vice-presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (SINDATE-DF), Jorge Vianna. O sindicalista afirmou que o caso apenas demonstra a falta de capacidade de gestão por parte do secretário de saúde, Humberto Lucena Pereira da Fonseca.

“Como tenho dito, esse é o retrato desse governo e desse secretário de Saúde, de total falta de capacidade de gestão porque as horas extras estavam atrasadas há cerca de seis meses e depois disso tudo, vem a secretaria falar que as unidades enviaram a documentação para registro das horas extras fora do prazo? Demonstra descaso e falta de gestão dos gestores que estão na ponta e da própria Subsecretaria de Gestão de Pessoal [SUGEP] que poderia ter cobrado dos hospitais.”, disse ao criticar o governo “E depois vem o senhor governador, vem o secretário atacar o servidor publicamente, atacar os sindicatos pela incompetência do Estado”, atirou.

HEs de Fevereiro

PD questionou ainda à SES-DF quando deve ser efetuado o pagamento das HEs de fevereiro, mas a Secretaria não se manifestou em relação ao questionamento.