Rollemberg sanciona Instituto Hospital de Base, mas novo ‘modelo de gestão’ pode não sair do papel

109
Print Friendly, PDF & Email

Além de inconstitucionalidades questionadas na Justiça, GDF precisa de aval do Conselho de Saúde e TCDF pode questionar incidência da LRF sob contratação celetista

Por Kleber Karpov

O governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), sancionou nesta segunda-feira (3/Jul), a Lei nº 5.899/2017, que cria o Instituto Hospital de Base do Distrito Federal (IHBDF), proposta do Executivo, aprovada (20/Jun), por parlamentares na Câmara Legislativa do DF (CLDF). Enquanto PL, os parlamentares e entidades sindicais, contrários ao IHBDF, entraram com Ação de Inconstitucionalidade (ADIN). Porém, tanto o Conselho de Saúde do DF (CSDF) quanto o Tribunal de Contas do DF (TCDF) ainda podem ‘engrossar o caldo’ e ‘melar’ o que muitos consideram mais uma ‘manobra eleitoreira’ de Rollemberg.No dia anterior à votação do PL 1.486/2017, o presidente do CSDF, Helvécio Ferreira, chegou a enviar à CLDF o Ofício 27/2017 em que ratificou a posição do CSDF. Na data de votação, o deputado distrital, Wasny de Roure (PT), chegou a denunciar, em plenário, a falta de aprovação do Controle Social em relação ao Projeto.

Publicidade
Sem comparecer à votação do IHBDF, presidente do CSDF prestigia sanção da Lei do IHBDF – Foto: Tony Winston/Agência Brasília.

Política Distrital (PD) conversou com Helvécio Ferreira que lembrou que “é vedada a terceirização da gestão da Saúde pública do Distrito Federal! Qualquer descentralização terá que ser por estruturas organizacionais públicas, formato público!”, disse ao afirmar que mesmo se o PL fosse aprovado na CLDF, há necessidade de debate no Conselho de Saúde, ao ser questionado pelo blog.

“Se for aprovado enquanto estrutura organizacional pública; o regimento, estatuto e o contrato de gestão terá que ser debatido no CSDF; Os conselheiros atuarão no escopo da Lei 4.604/8080 e demais normativas do SUS!! A CLDF é instância superior ao CSDF quanto ao projeto do IHBDF. A autorização é de competência exclusiva da CLDF neste caso. ”, disse ao informar que a implementação depende de deliberação e aprovação do CSDF: “A Formulação da política de saúde pública e o contrato de gestão”, concluiu Helvécio Ferreira.

Mas, para o GDF

O GDF por sua vez, em matéria publicada pela Agência Brasília (Veja aqui), parece ter ignorado a participação do CSDF e menciona apenas a regulamentação por meio de decreto.

“Após a sanção do projeto, o novo modelo será regulamentado por meio de decreto, que criará o instituto e autorizará o registro em cartório, já que é uma entidade regida por normas de direito privado. A regulamentação também estabelecerá como será indicado o conselho de administração do instituto. Depois disso, o conselho tomará posse e aprovará o estatuto do Instituto Hospital de Base. Por fim, serão feitos os demais documentos necessários para o funcionamento: manual de contratações, manual de admissões, manual de fiscalização e controle, plano de cargos e salários e o contrato de gestão.”

TCDF e a LRF

PD questionou o TCDF sobre possível incidência da contratação de pessoal sob regime celetista, na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Por meio da Assessoria de Comunicação, embora o Tribunal observou “Até o momento, não há, no âmbito deste Tribunal, estudos referentes especificamente ao recém criado Instituto Hospital de Base.”.

Mas, o próprio TCDF apontou que decisões anteriores por parte do TCDF, demonstram tal incidência. Vale observar nesse caso a tentativa, por meio da Procuradoria-Geral do DF (PGDF) tentar questionar a incidência da LRF na contabilização de gastos com pessoal, porém, com nova derrota ao GDF pelo Tribunal.

“O Processo 21386/2013 tratou de estudo especial tendo por objetivo o exame de contrato de gestão, em face da Lei de Responsabilidade Fiscal, especialmente no que tange à sua contabilização como substituição de servidores e empregados públicos, nos termos dos arts. 18 e 19 da mencionada Norma.

O corpo técnico do TCDF concluiu que a terceirização de serviços envolvendo o componente mão de obra que caracterize substituição de servidor e empregado público deve ser contabilizada como Outras Despesas de Pessoal e computada no limite de despesas com pessoal do Poder ou órgão contratante, inclusive no tocante aos contratos de gestão. Essa contabilização deve seguir os termos do § 1º do art. 18 da LRF, juntamente com os critérios veiculados no item III da Decisão nº 2.498/04.
Por isso, por meio da Decisão 2.753/2015, o TCDF informou ao GDF que considerará, para a verificação do cumprimento do limite previsto no art. 19 da Lei de Responsabilidade Fiscal, as despesas com pessoal dos contratos de gestão firmados pela Administração quando a mão de obra envolvida na execução desses ajustes configurar a substituição de servidores e empregados públicos, nos termos do § 1º do art. 18 da LRF e dos critérios definidos na alínea “b” do item III da Decisão nº 2.498/04.
A Procuradoria-Geral do Distrito Federal apresentou pedido de reexame contra a Decisão nº 2.753/15, o qual foi considerado improcedente por esta Corte, consoante a Decisão nº 2.786/16.”

Sobre o incidência da LRF, PD conversou com um advogado que  foi enfático ao afirmar: “A colocação do Tribunal de Contas [do DF] me pareceu coerente pois independente do modelo de contratação, se celetista ou estatutário, há que se levar em consideração que os recursos são públicos, destinado ao pagamento de pessoal e que devem atuar, na atividade fim, portanto, deve incidir sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal.”, disse ao pedir sigilo de identidade.

Leave your vote

Artigo anteriorAtualização cadastral na Codhab pode ser feita até 31 de julho
Próximo artigoJustiça acata pedido do MPF e transforma Carlos Cachoeira e mais cinco em réus