Políticos reclamam e CLDF pode suspender recesso para barrar, “última cagada de Rollemberg em 2016”

117


Print Friendly, PDF & Email

Reajuste das tarifas de transporte público, no último dia do ano, criou revolta da população além de atingir classe política. Ambos prometem reação

Por Kleber Karpov

Antes de sair de férias o socialista, governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), reajustou as tarifas das passagens de ônibus e metrô do DF. Com aumento médio de 17,6%, que chegou a atingir 25% para as linhas de grande distância e metroviárias, a decisão tomada na surdina, no último dia do ano, revoltou a população e o meio político.Sob argumento de reduzir os gastos com subsídios com o transporte público e transferir o ônus a população do DF desencadeou uma série de reações. Considerado por muita gente, nas redes sociais, “a última cagada de Rollemberg de 2016”, virou objeto de memes e revoltas, sobretudo no meio político, uma vez que a iniciativa, mesmo unilaterial por parte do governador do DF, atingiu em cheio os parlamentares.

Vice-governador

Durante a posse dos novos membros da Mesa Diretora da Câmara Legislativa do DF (CLDF), o vice-governador do DF, governador em exercício, Renato Santana (PSD) criticou os reajustes e disse que deve pedir revisão dos índices. “Não vamos nos furtar da nossa responsabilidade com gestores públicos. Já solicitei ao secretário de Mobilidade os estudos feitos que resultaram no aumento. Vamos rever os índices e não temos problema nenhum em voltar atrás, se for necessário.”.

Presidente da CLDF

Publicidade
Posse do novo presidente da CLDF, Joe Valle (PDT) – Foto: Carlos Gandra

O agora presidente da CLDF, o deputado distrital, Joe Valle (PDT), não deixou por menos e não descartou a possibilidade de realizar uma autoconvocação, caso o governador não volte atrás, para votação de um decreto legislativo para tornar sem efeito o reajuste das tarifas públicas por parte do chefe do Executivo. “O governador precisa rever esse aumento. Se ele não o fizer, a Câmara Legislativa vai fazer”, disse ao observar a possibilidade de convocar extra

Senador Hélio José

Para o senador Hélio José (PMDB-DF), o reajuste da tarifa do transporte público foi uma ação equivocada e vez um apelo ao governador que revisse o reajuste das passagens. “Nas últimas horas fomos surpreendidos com reajuste de quase 25% do reajuste das tarifas do transporte urbano. Todo mundo sabe que a vida do brasiliense é difícil no transporte urbano. Tem pessoas que perdem entre duas e quatro horas para ir e voltar do trabalho com engarrafamentos enormes. Não é justo essa passagem de ônibus, que já é a mais cara do Brasil tenha um novo reajuste.”.

Senador Cristovam

Também presente na solenidade, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) pediu a suspensão do aumento das tarifas, “pelo menos enquanto o governador Rodrigo Rollemberg estiver de férias”, na primeira semana do ano.

Deputado Federal Rogério Rosso

Na Câmara Federal, vários parlamentares questionaram o reajuste. Em nota que circulou pelo aplicativo Whatsapp, Rogério Rosso (PSD-DF), lembrou o reajuste vertiginoso do custo do transporte público pelo ex-governador, Agnelo Queiroz (PT), reajustes esse condenado pelo relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Público (Abr/2016) e,  condenou os reajustes e sugeriu uma “auditoria profunda” nas contas que formam o custo do transporte público do DF.

“Sou absolutamente contra reajustes de tarifa em qualquer serviço público/concessão sem os prévios estudos, análises técnicas e financeiras. Me parece que a licitação feita pelo governo anterior aumentou vertiginosamente as subvenções e incentivos, mas isso deve fazer parte das análises e levantamentos econômicos. Por isso tudo sou contra a esse reajuste nas tarifas do transporte público do DF e favorável a uma auditoria profunda, com a participação da sociedade, nas contas e itens que formam o custo do transporte para efeitos de formação da tarifa. Sugiro ao Governador Rollemberg que reveja imediatamente esse reajuste e embase a população dos motivos que o fizeram a tomar tal decisão.”, afirmou Rosso.

Deputada Distrital Celina Leão

Celina Leão (PPS) lembrou a CPI que condenou a continuidade da prestação do serviço de transporte urbano o que considerou ser “o pior serviço pelo maior preço”, uma vez que o Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) determinou a suspensão do certame licitatório conclusão essa também recomendada com a investigação da CPI na CLDF.

“Eu entrei com uma ação popular e o juiz deu a vitória a nós, mandou suspender o certame e fazer uma nova licitação. Para que serve uma licitação? Para você ter o melhor serviço pelo menor preço e nós temos o pior serviço pelo maior preço. Por quê? Porque é uma licitação fraudada que está custando aos cofres públicos, R$ 1 bilhão.”, lembra Celina Leão.

Deputado Distrital Raimundo Ribeiro

Ao Política Distrital, Raimundo Ribeiro (PPS), criticou a ação de Rollemberg o que considerou um saque ao bolso dos trabalhadores em detrimento dos empresários. “Mais uma decepção patrocinada pelo governo. Sem ter promovido qualquer melhoria no transporte público, o GDF aumenta o preço das passagens de ônibus e metrô, saqueando os bolsos da população já tão sofrida com um sistema de saúde que agoniza, uma segurança pública que deixa a população à mercê dos criminosos e um sistema educacional que não ensina nem educa. Com esse aumento das passagens o governo mostra claramente que está ao lado dos empresários que vendem caro um serviço de transporte imprestável e  contra a população.

Bancada do DF no Congresso

A Bancada do DF no Congresso Nacional também se manifestou contrária aos reajustes das passagens. Nesse sentido, o presidente, Izalci Lucas (PSDB-DF) deve enviar, na segunda-feira (2/1), ofício com pedido de informação de modo que Rollemberg justifique tais aumentos. Nas redes sociais o parlamentar chamou de “tapa na cara” do cidadão brasiliense o reajuste a toque de caixa por parte de Rollemberg.

Democratas-DF

Em nota, o Democratas no DF (DEM-DF) foi categórico ao afirma que “reprova com veemência o aumento de tarifa. É mais uma decisão absurda do desgoverno de Rodrigo Rollemberg, incapaz de mudar a estrutura de remuneração do sistema para aliviar o déficit, toma uma decisão terrível para a população, que é o aumento de tarifas.”.

O presidente do partido no DF, o deputado federal Alberto Fraga, lembrou que  foi secretário de Transportes do DF na gestão do ex-governador, José Roberto Arruda e nunca autorizou reajuste de tarifa. “Esse aumento e ainda mais grave, pois foi anunciado na véspera de ano-novo, com a cidade em recesso. Um escândalo!”, ressaltou.

PMDB-DF

O PMDB-DF também publicou nota oficial em que criticou a publicação de decreto, na surdina, às vésperas do feriado de ano novo e da saída de férias por parte de Rollemberg. O PMDB além de repudiar o reajuste de até 25% das tarifas do transporte público no DF, lembrou que em menos de dois anos de governo, “o governador elevou o preço das passagens em 66,6%”, o que considera “completa insensibilidade e insensatez do governador, ao não levar em conta o momento difícil que o Brasil e o DF atravessam”, disse ao observar o impacto que tais aumentos devem ter sobre os desempregados e trabalhadores autônomos.

“Este aumento, se for mantido, punirá principalmente os trabalhadores que se encontram desempregados, bem como os diaristas, autônomos e outros que são o elo fraco da corrente e pagam a passagem em dinheiro nas roletas. E porá em risco, também, os postos de trabalho ainda existentes, pois nenhuma empresa na crise de hoje produz resultados que permitam arcar com tamanho aumento no item transporte público de seus empregados”.

Nesse sentido, o ex-vice-governador, presidente do PMDB-DF, Tadeu Filipelli, também se manifestou em um vídeo publicado nas redes sociais, onde observou que se trata de mais uma ação desastrosa de Rollemberg. Fillipelli fez um apelo a Renato Santana, governador em exercício: “Em respeito a população do DF, em respeito aos trabalhadores do DF, por favor, revogue esse aumento desastroso concedido nas últimas horas do ano.”.

“Última cagada de Rollemberg em 2016”

Talvez a melhor ‘tradução’ do sentimento da população do DF se resume em depoimento de um cidadão comum que em uma rede social foi categórico ao observar que o reajuste do transporte público, na surdina, foi a “última cagada de Rollemberg em 2016”, disse ao observar que o governador está prestes a criar uma nova crise institucional no DF.

Manifestações

A próxima segunda-feira (2/Jan), pode servir de termômetro da população do DF, em relação aos reajustes. Isso porque, ao menos quatro grandes manifestações são aguardadas em todo o DF. Entre eles o ‘I Ato Contra o Aumento Das Passagens’, que em poucas horas, 800 pessoas demonstraram interesse e outras 1.700 prometem lotar, no dia 4 de janeiro, na Rodoviária do Plano Piloto. https://www.facebook.com/events/1067288923382602/.

Resta saber se o Legislativo ou o governador, em exercício, Renato Santana, deve anunciar alguma medida concreta antes que o pior aconteça.