Presidente da CPI da Saúde na Câmara Legislativa nega motivação política para investigações

42
Print Friendly, PDF & Email
Por Denise Caputo 
Após exibir trecho de matéria televisiva mostrando o descaso com grávidas na rede pública de saúde do Distrito Federal, o presidente da CPI da Saúde, deputado Wellington Luiz (PMDB), fez um discurso inflamado, na sessão desta terça-feira (17), em prol das investigações na área. “Esse vídeo fala por si só. A CPI tem razão de existir”, afirmou.

O peemedebista negou qualquer motivação política para a instalação do colegiado que vai investigar “indícios de malversação de recursos públicos na gestão da Secretaria de Saúde” de janeiro de 2011 a março de 2016. “Estamos falando de vidas, de gente que morre por falta de atendimento. E isso é cotidiano na rede pública”, disse, após ironizar a fala de quem considera a CPI uma forma de pressão “para arrancar cargos” no GDF.

Já o líder do governo na Câmara Legislativa, deputado Júlio César (PRB), questionou a exibição de um vídeo que relata apenas a situação atual do atendimento em hospitais públicos. “Para ser mais justo, seria preciso mostrar reportagens desde 2007. Assim fica parecendo que isso está acontecendo só atualmente. O governo herdou problemas antigos”, defendeu.

O deputado Roosevelt Vilela (PSB) concordou com o colega e disse que os problemas na saúde pública não são exclusividade do DF. Ele comparou, ainda, os orçamentos do estado de Goiás e do DF para a área – R$ 3 bilhões e R$ 8 bi, respectivamente, segundo informou – e elogiou a implementação de outros modelos de gestão no estado vizinho.

O deputado Rodrigo Delmasso (PTN) frisou haver problemas antigos na saúde e disse haver um “caos sistêmico”. Em sua opinião, é preciso investir principalmente na atenção primária.

Informações

Integrante da CPI da Saúde, o deputado Cristiano Araújo aproveitou para anunciar alguns requerimentos de informações já protocolados no colegiado. Ele quer relatórios do Tribunal de Contas “para verificar os gargalos na área”, informações sobre o depósito central de medicamentos, a lista de hospitais conveniados, entre outros levantamentos. “Tem muita coisa a ser feita. Se ao final conseguirmos verificar os problemas e apresentar sugestões e soluções, teremos avançado”, apontou.

Pauta de votações – Durante a sessão desta tarde, os deputados aprovaram o projeto de lei nº 135/2015, da deputada Sandra Faraj (SD), que inclui o Dia do Síndico no calendário oficial de eventos do DF. Também foram aprovadas moções, como a que manifesta apoio ao pagamento de pecúnias de licença-prêmio aos professores aposentados. Eles aguardam o benefício desde julho do ano passado. Além disso, os distritais aprovaram diversos requerimentos, a exemplo da realização de sessão ordinária em Águas Claras no dia 25 de maio, como parte do projeto “Câmara em Movimento”.

 Fonte: CLDF