Câmara Legislativa do DF exonera Secretário-geral da Mesa, Valério Neves, preso na Lava Jato

112
Print Friendly, PDF & Email

O ex-senador, Gim Argello e Paulo Roxo também são presos no DF durante 28ª etapa da Lava Jato da Polícia Federal

Por Kleber Karpov

A manhã desta terça-feira (12/Abr) começou com prisões da Polícia Federal no DF e com prisão temporária do ex-senador, Gim Argello (PTB), o lobista Paulo Roxo, apontado por Walmir Pinheiro, diretor da UTC Engenharia como como contato de Argello para repasse de dinheiro em campanha eleitoral de 2014 e ainda o secretário-geral da Mesa da Câmara Legislativa do DF (CLDF), Valério Neves, Secretário.

Neves teve forte influência no meio político, isso durante a gestão do ex-governador, Joaquim Roriz. Nas investigações da Lava Jato é apontado como um dos operadores de Argello em esquema de arrecadação, junto a UTC, de R$ 5 milhões, na CPI da Petrobrás, durante à campanha eleitoral de 2014.

Exoneração

Responsável pelos contratos da CLDF, após tomar conhecimento de suposto envolvimento de Neves na operação lava, por meio de Nota Oficial a Casa comunicou a exoneração do Secretário Geral da Mesa Diretora.

“A Câmara Legislativa do Distrito Federal informa que o servidor Valério Campos Neves foi exonerado, após ter conhecimento da operação da Polícia Federal, na manhã desta terça-feira (12). A Mesa Diretora da Casa esclarece que as investigações não têm qualquer relação com as atividades do servidor no âmbito do Poder Legislativo local e nem com qualquer deputado distrital. A exoneração do servidor visa a dar a oportunidade ao contraditório e à ampla defesa do mesmo.”