Prosus e MPC-DF recomendam que neurocirurgia do HBDF volte a funcionar adequadamente

90
Print Friendly, PDF & Email

O HBDF é referência no DF e entorno para o atendimento de trauma, em especial neurotrauma, além de ser o único a atender na área de neurocirurgia e nas emergências neurológicas

A Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus) e o Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC-DF) expediram recomendação ao Distrito Federal, nesta sexta-feira, 8 de janeiro, para que tome providências urgentes e possibilite o funcionamento adequado da unidade de neurocirurgia do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). A recomendação é endereçada ao governador, aos secretários de saúde e de planejamento, orçamento e gestão, ao subsecretário de administração geral da Secretaria de Saúde e ao diretor do Fundo de Saúde do Distrito Federal.

No documento, o Ministério Público enumera as dificuldades enfrentadas pela unidade de saúde. Das 16 salas de cirurgias do hospital, apenas três estão sendo utilizadas. Faltam insumos, equipamentos e profissionais para a realização de cirurgias, inclusive em pacientes com dor crônica. Dados fornecidos ao MP indicam que cresceu, nos últimos meses, os índices de mortalidade e de complicações entre os pacientes da neurocirurgia no HBDF. Informações apontam um aumento de 30% na abertura de protocolos de morte encefálica, se comparado a períodos equivalentes em anos anteriores.

Publicidade

De acordo coma recomendação, devem ser adquiridos imediatamente equipamentos e insumos que garantam o funcionamento da neurocirurgia. Também devem ser nomeados neurocirurgiões, anestesiologistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem aprovados em concurso público. Além disso, devem ser reabertas as salas de cirurgia. Em caso de impossibilidade de cumprimento da recomendação, os responsáveis têm dez dias úteis para apresentar explicações ao Ministério Público.

Clique aqui para ler a íntegra da recomendação.

Fonte: MPDFT

Artigo anteriorApós três novos casos de zika vírus, dois em Santo Antonio do Descoberto, Goiás acende sinal de alerta
Próximo artigoPreço do combustível no DF caiu, mas para cima