Rollemberg fala sobre implantação de Organizações Sociais no DF durante entrevista

68
Print Friendly, PDF & Email
Por Kleber Karpov

Em entrevista ao jornal eletrônico, Metrópoles, publicada nesta quinta-feira (7/Jan), o governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), foi sabatinado sobre diversos temas. Entre eles alguns voltados á saúde pública do DF, a exemplo da privatização da Saúde, por meio das Organizações Sociais (OSs).

Rollemberg diz ser grande defensor do Sistema Único de Saúde (SUS) e observa que SUS prevê formas de gestão compartilhada, o que considerou uma das maiores conquistas sociais da população brasileira. “Entendo que o modelo da administração direta é importante e nós queremos aperfeiçoar esse modelo criando as regiões de saúde, promovendo a descentralização, dando autonomia aos gestores dessas regiões e dos próprios hospitais.”

Para Rollemberg, Brasília deve se tornar um polo de saúde e quer incentivar a vinda de entidades filantrópicas para o DF que atendam pela Tabela SUS e lembrou o Instituto de Cardiologia do DF (Incor-DF) em que 80% dos atendimentos são realizados pelo SUS.

Publicidade

Gestão por OSs

Em relação à gestão da Saúde por meio de OSs Rollemberg observou: “Entendemos que nós podemos ter também, episodicamente, organizações sociais ampliando o modelo de assistência como temos o Hospital da Criança que também é um hospital de referência e é gerido por uma Organização Social “, disse ao explicar: “Isso não quer dizer que a gente quer trazer OS para colocar em todos os hospitais. Isso não passa pela nossa cabeça. E não passa pela nossa cabeça tirar qualquer tipo de direito dos trabalhadores da Saúde, seja em relação ao seus salários, em relação à jornada de trabalho. O que nós estamos preocupados é em oferecer uma saúde melhor à população.”, afirmou Rollemberg.

Rollemberg abordou ainda sobre outros temas voltados à Saúde, a exemplo da existência de focos do mosquito Aedes Aegypti em áreas públicas, e a declaração recente do secretário de Saúde, Fábio Gondim, sobre os órgãos de controle do DF, o que classificou por “um desabafo, em um momento infeliz” e lembrou que o GDF mantém uma relação austera com o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) e com o Tribunal de Contas do DF (TCDF).

Barba, cabelo e bigode

Provocado durante a sabatina, Rollemberg falou sobre diversos temas. Entre eles a impopularidade do governo, limpeza urbana, impeachment da presidente, Dilma Rousseff (PT), composição com Marina Silva (Rede) na disputa à presidência em 2018, recursos para escolas de samba do DF, promessas de campanha não cumpridas, entre outros. Vale a pena conferir em Metrópoles

Artigo anteriorApós ser suspensa, exigência dos extintores em automóveis pode voltar no Brasil
Próximo artigoRede de saúde do DF é reabastecida com Dobutamina