Governador do DF diz que gestão de hospitais por OS em Goiás é um modelo bem sucedido

Print Friendly, PDF & Email

O governador Rodrigo Rollemberg e cinco deputados do Distrito Federal visitaram nesta sexta-feira, dia 04, três hospitais goianos administrados por Organizações Sociais (OSs). O objetivo da visita foi buscar informações sobre o modelo de gestão hospitalar por OSs e os resultados obtidos com a sua implantação em Goiás.

Pela manhã, a comitiva foi recepcionada pelo governador Marconi Perillo e pelo secretário da Saúde, Leonardo Vilela, no Hospital de Urgências Governador Otávio Laje de Siqueira (Hugol). Também estiveram presentes: o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, Helio de Sousa, e o procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado, Lauro Machado. Do Hugol, os visitantes seguiram para o Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer). À tarde, eles visitaram também o Hospital de Doenças Tropicais (HDT) e o Conecta SUS, na sede da SES-GO.

Durante a visita, o governador Marconi Perillo disse à comitiva que o modelo de gestão permitiu a humanização do atendimento e ampliações no sistema de saúde do Estado. “Vamos ter em Goiás uma rede de dez hospitais de urgências. Até o final deste mandato, vamos concluir mais quatro hospitais de urgências, três no entorno de Brasília. Isso certamente transformará o Estado em uma referência na área de Saúde.”

Publicidade

Segundo Leonardo Vilela, neste ano essa é a 13ª comitiva de gestores de outros Estados que visitam Goiás com o objetivo de conhecer as unidades de saúde geridas por Organizações Sociais. “Esta é uma experiência que deu certo em Goiás e em outras unidades da Federação, como São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, mas cada estado tem uma realidade. Nós, por exemplo, fizemos adaptações em relação ao modelo de São Paulo, que foi pioneiro no Brasil. E o que estamos fazendo hoje é compartilhar uma experiência exitosa. Essas visitas mostram que estamos no caminho certo.”

O governador do Distrito Federal disse que ficou impressionado com as unidades que visitou. “São hospitais muito organizados. Tivemos a oportunidade de conversar com alguns pacientes e todos estavam muito satisfeitos com o atendimento. A gente percebe que é um modelo bem sucedido. É uma experiência que nós devemos adaptar no Distrito Federal.”

Rodrigo Rollemberg afirmou também que o DF já possuiu lei que permite a implementação de Organizações Sociais. “Precisamos aperfeiçoar essa lei. É importante a presença dos deputados distritais aqui para conhecerem este modelo e para que possamos fazer o que for melhor para a saúde pública do Distrito Federal.”

Já o presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura da Câmara Distrital, Professor Reginaldo Veras (PDT), disse que sua avaliação não é conclusiva, já que pretende buscar mais informações e conhecer outros hospitais em que o modelo de gestão foi implantado. “A primeira impressão foi boa. É uma experiência positiva, mas é difícil julgar, por ser uma análise preliminar. (…) Quero encontrar argumentos para ser contra ou defender a implantação no Distrito Federal.”

Além de Reginaldo Veras, fizeram parte da comitiva os deputados distritais: Júlio César (PRB), Rafael Prudente (PMDB), Roosevelt Vilela (PSB) e Juarezão (PRTB). Com a visita, a comitiva pôde conhecer o funcionamento do atendimento, a aplicação e a racionalização dos recursos, a regulação de pacientes, as metas estabelecidas no contrato de gestão, a contratação de recursos humanos, dentre outros aspectos. No início de outubro, o secretário de Saúde do DF, Fábio Gondim, também visitou Goiânia para conhecer as unidades hospitalares da rede estadual.

Abertura de novos leitos no Hugol
Durante a visita de Rodrigo Rollemberg e dos deputados distritais ao Hospital de Urgências Governador Otávio Laje de Siqueira, o diretor geral da unidade de saúde, Hélio Ponciano, anunciou que, no dia 11 de dezembro, 30 novos leitos de ortopedia serão disponibilizados para atendimento a pacientes. “O Hugol está atendendo com uma capacidade programada. A demanda é crescente. A procura é que nos dá parâmetros para abertura de novos leitos.”

Confira a entrevista de Rollemberg 

 

Fonte: Ascom SES-GO

Artigo anteriorAnálise: Economia pode decidir o futuro de Dilma
Próximo artigoPoliciais civis paralisam atividades e fazem manifestação, na segunda-feira (7)