Rollemberg viaja para Goiás para conhecer unidades de Saúde geridas por Organizações Sociais

Print Friendly, PDF & Email

O governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), viaja para Goiânia, onde se encontrará com o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), na manhã desta sexta-feira (4/Dez). Rollemberg deve se reunir com Perillo e em seguida fazer visitas técnicas ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage (Hugol) e ao Centro de Reabilitação e Readaptação Doutor Henrique Santillo (Crer), ambos geridos por Organizações Sociais (OSs).

A viagem foi anunciada por Política Distrital (20/Nov), em matéria intitulada Rollemberg as Organizações Sociais e a faca de dois gumes (20/Nov), tem por objetivo, conhecer o funcionamento do processo de gestão das unidades hospitalares do estado vizinho, por meio das OSs. A matéria faz um apanhado da conjuntura atual em relação a eventos críticos e considerados de sucesso em relação as Organizações Sociais.

Vem ai?…

Publicidade

Embora o foco do governo no momento sejam as Parcerias Público Privadas (PPPs) a pauta das OSs permanece em evidência e preocupa o meio político, instituições as ligadas à Saúde do DF e órgãos de controle. Isso porque Rollemberg tem se pronunciado favorável a utilização de OSs no processo de gestão do Sistema Único de Saúde do DF (SUS-DF).

Moderação

Ao Blog, o secretário de Saúde do DF, Fábio Gondim, tem se manifestado no sentido de não haver decisão de se adotar as OSs por modelo de gestão da Saúde do DF, porém, enfatize a necessidade de conhecer, na condição de gestor, todas as possibilidades possíveis.

Gondim sempre que toca no assunto faz questão de deixar claro que o governo deve seguir as diretrizes estabelecidas pela 9ª Conferência Distrital de Saúde do DF, organizada pelo Conselho de Saúde do DF (CSDF), uma vez que durante o evento foi ratificado a gestão da saúde, 100% SUS. A mesma diretriz também ganha força na 15ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em Brasília, no Centro Ulisses Guimarães e termina nesta sexta-feira (4/Dez).

Artigo anteriorGestão da Saúde é responsabilidade dos administradores públicos, afirma MPDFT
Próximo artigoOrçamento do GDF para 2016 virou peça de ficção?