No DF, homem toma soro em chão de hospital durante lavagem de piso

162
Print Friendly, PDF & Email



Secretaria de Saúde diz que ele optou ficar acomodado no corredor. Paraplégico e morador de rua, paciente urinou e defecou no local.

Por Raquel Morais

Imagens feitas por um servidor mostram um paciente tomando soro sentado no chão de um hospital público de Brasília enquanto funcionários faziam faxina no local. O registro foi feito no dia 22 de julho. Por e-mail, a Secretaria de Saúde afirmou que o homem escolheu ficar no piso e declarou não poder obrigar ninguém a se acomodar.

De acordo com o servidor público Antonio Marcos Batista, a situação se estendeu por sete horas. Ele conta que estava em uma unidade de saúde da Asa Norte para dar assistência ao sogro e se sentiu “revoltado” ao ver o paciente no corredor da internação por volta das 3h.

Publicidade

O servidor público afirma que o homem é morador de rua e paraplégico e estava sem acompanhante. “Ele foi deixado em uma cadeira [de rodas] a princípio. Após um certo tempo, ele reclamava muito de dores e não aparecia ninguém. Os enfermeiros foram dormir no horário”, lembra. “Depois de um certo tempo tiraram ele da cadeira e deixaram ele deitado no chão.”

Batista diz que o paciente urinou e defecou na própria roupa. Funcionários decidiram, então, lavar o local, e jogavam água e esfregavam o piso em torno do homem. O servidor público pediu a ajuda de uma pessoa que estava no hospital e que também era visitante para levar o paciente ao banheiro e improvisar um banho.

“Na verdade não só eu, mas muitas pessoas a mais que estavam lá sentiram uma coisa ruim, muito ruim. Até porque a gente via que o caramarada precisava de apoio, mas os enfermeiros lá não dão qualquer tipo de apoio”, afirmou ao G1.

O homem só teria recebido apoio de servidores do hospital às 10h. De acordo com a Secretaria de Saúde, o paciente escolheu ficar no chão, e foi necessário que funcionários o convencessem a voltar para a cadeira de rodas.

“[Ele] foi acomodado na sala de observação, onde deveria ter permanecido até ser liberado. O caso não era de internação. A sala estava lotada e o paciente foi acomodado em uma cadeira de rodas enquanto recebia o soro com medicamento. Minutos depois, ele se deslocou da sala até o corredor, onde foi encontrado no chão”, disse a pasta por e-mail.

Fonte: G1 DF