Saída de Secretário de Saúde deve se confirmar na próxima semana

18
Print Friendly, PDF & Email


Nas duas últimas edições da coluna Caixa de Pandora 003 (21/Dez e 4/Fev) a Política Distrital, publicou sobre a saída de João Batista, secretário de Estado de Saúde do DF (SES-DF). Pelo que tudo indica Batista, não suportou a pressão, de acontecimentos com os quais não compactua, dentro da SES-DF, e somado a problemas pessoais, deve deixar a pasta na próxima semana.

A crise dentro da SES-DF é patente. A ex-secretária adjunta, Crhistiane Pinheiro Teixeira de Aguiar, Batista chegou a ‘pedir a cabeça’ de Batista, à cúpula do governo, porém Aguiar é quem acabou deixando a pasta (29/Jan).

Mas na última semana, Batista supostamente cometeu um deslize que pode ter dado dor de cabeça ao governador, Rodrigo Rollemberg (PSB), e agravado a situação. Isso porque, segundo fonte que não quis se identificar, o Secretário aparentemente, perdeu o prazo estipulado pela Procuradoria Geral do DF (PGDF) e pelo Tribunal de Contas do DF (TCDF), de entrega de lista quadrimestral de concursados da Saúde, provavelmente a serem nomeados, problema que deve ser contornado pelo Governador.

Publicidade

A SES-DF, está sob decreto de ‘Estado de Emergência’, desde 20 de Janeiro, o que dá à Secretaria, prerrogativas, por exemplo, de efetuar contratos com dispensa de licitação. Mas após quase 30 dias, a falta de médicos e de profissionais para atender a população nas unidades de saúde, pouco mudou. Matéria publicada pelo Correio Braziliense (6/Fev), intitulada Crise na saúde faz brasilienses procurarem hospitais no Entorno do DF, apenas pelo título, fala por si só. Isso por demonstrar que o problema está tão grave que começa a ocorrer uma inversão de procura da população às unidades de saúde, caso nunca visto na história da saúde pública do DF e região do entorno.

A grande dúvida que este blog chegou a questionar aos deputados distritais, Dr. Michel (PP), Joe Valle (PDT) e Chico Vigilante (PT) é: com o impedimento de realizar novas contratações por ter atingido o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, se numa eventualidade da exoneração de Batista, se o GDF não ficaria impedido de nomear um nome secretário. Não houve consenso e o jeito será aguardar a próxima semana.