A Câmara Legislativa pediu e o povo falou

42


Print Friendly, PDF & Email

Câmara em Movimento fez sucesso na rodoviária do Plano Piloto.
A experiência deve se repetir em outras Regiões Administrativas do DF.

A Câmara Legislativa do Distrito Federal começou o ano se aproximando do povo. A iniciativa proposta pela deputada distrital e presidente da CLDF, Celina Leão (PDT), apoiada por alguns parlamentares, de levar a sessão ordinária da Casa do Povo para a rodoviária do Plano Piloto (4/Fev), onde milhares de pessoas oriundas de todas as regiões administrativas do DF, parece ser acertada.

Essa iniciativa chamada de Câmara em Movimento, vem de encontro ao discurso de Leão, realizada na primeira sessão ordinária, após o recesso parlamentar, em caráter solene, pois a CLDF recebeu o governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB). Na ocasião a Presidente da CLDF demonstrou a necessidade de mostrar à população do DF que a dissolução da Câmara é equivocada e que a Casa tem papel importante em relação a representação da defesa dos interesses da população.

Parlamentares que compareceram

Dos parlamentares que abraçaram a causa são destaques os distritais: Luzia de Paula (PEN), Agaciel Maia (PTC), Joe Vale (PDT). Surpreendeu a participação do PT, com a presença apenas de Ricardo Valle. A justificativa é que os petistas Chico Leite e Chico Vigilante estavam em viagem.

Publicidade

O que o povo quer?

Na ocasião do evento na rodoviária e em meio a manifestação de entidades sindicais e de grupos da sociedade civil organizada, Leão suspendeu a sessão ordinária e abriu inscrições para que as pessoas ‘comuns’ se manifestassem. Nas duas horas seguintes a maioria dos distritais que se fizeram presentes ouviram diversos questionamentos.

Contratação de policiais civis aprovados em concurso, valorização do servidor público, melhoria de vias públicas, segurança, atenção aos estudantes de escolas públicas, valorização dos moradores de condomínios horizontais foram algumas das reinvindicações da população na Rodoviária do Plano Piloto.

Chamaram a atenção

Comunidade LGBT

Dois representantes de comunidades Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBTs), ouviram questionamentos em relação ao tratamento dispensados por políticos à comunidade LGBT. Em especial a criação da Subsecretária para Assuntos de Pessoas LGBT, da Secretária de Estado de Políticas para Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos e a posterior extinção publicada no Diário Oficial do DF desta sexta-feira (9/1), atribuído a pressão dos deputados distritais da base evangélica e católica da CLDF.

Limpeza Urbana

Uma senhora, moradora da RA Recanto das Emas pediu que se criasse uma Lei para obrigar as pessoas a varrerem a frente das casas. Embora pareça absurdo, a reivindicação pode ser reflexo da ausência dos serviços de limpeza urbana, ocasionado pelo rombo deixado pelo ex-governador, Agnelo Queiroz (PT). Isso porque todo o DF teve suspensões desse serviço, por causa de paralisações dos trabalhadores que, em alguns casos, estavam há meses sem receber salários.

Respeito à Comunidade Indígena

Um cidadão, de etnia indígena, reclamou da falta de assistência do governo para as mães indígenas que foram discriminadas na gestão de Agnelo, e não conseguiram matricular os filhos em creches públicas e ainda da ausência de uma Lei que garanta tratamento igualitário a essa comunidade no DF.

Pacto por Brasília:

O tema foi abordado por vários cidadãos. Isso porque está claro para a população do Distrito Federal, que o pacote de austeridade para tirar o DF do buraco deixado por Queiroz, recairá no bolso do cidadão.  E ninguém quer pagar essa conta em nome do Pacto por Brasília. O pedido foi unânime para que os parlamentares escutem os cidadãos e que não levem adiante medidas a exemplo do aumento de impostos.

Administração do Riacho Fundo I

Membros do grupo Rollemberg 40 e outros manifestantes pediram a nomeação do irmão da chefe de gabinete de Leão, Júnior Almeida, para assumir a RA Riacho Fundo I .

Votação da ARO

Servidores públicos, com a presença maciça dos profissionais de Educação, pediram aos distritais que priorizassem a votação da Antecipação de Receitas Orçamentárias (ARO). Isso porque esses trabalhadores estão sendo penalizados com o não pagamento de resíduos, 13º salários, Férias e Horas-Extras, relativos ao mês de Dezembro de 2015.

Os parlamentares reagiram?

Após a retomada a sessão ordinária e em seguida, alguns distritais fizeram uso da palavra e se pronunciaram em relação a alguns temas propostos. Michel (PP) arrancou aplausos da multidão ao afirmar: “bandido bom é bandido na cadeia” e sugerir o fim da maioridade penal.

A experiência

A avaliação de Leão sobre a sessão solene próxima ao povo foi positiva. Segundo a Deputada, embora na rodoviária do Plano Piloto, o ambiente atrapalhado um pouco, por causa de ‘apitaços’ e da manifestação, a CLDF deve repetir essa experiência também nas RAs. Segundo Leão: “A Câmara é um poder representativo e tem que estar ao lado da população.”, afirma ao lembrar um dos principais papeis da CLDF: “As pessoas querem ser ouvidas e essa é a função do parlamento.”, conclui Leão.