Salários: Rollemberg começa a descascar o abacaxi de Agnelo

42
Print Friendly, PDF & Email

Após o ex-governador Agnelo Queiroz (PT) anunciar que todos os salários foram pagos, servidores e contratos temporários da Saúde e da Educação permanecem sem pagamentos de resíduos de 13º Salários.

No último dia de mandato (31/Dez) o ex-governador Agnelo Queiroz (PT), afirmou à imprensa, que havia efetuado o pagamento de todos os servidores. Mas após a posse de Rollemberg (1/Jan), o que se constatou foi que Agnelo havia faltado com a verdade, pois os valores devidos aos servidores e terceirizados não foram pagos.

Na ocasião da inauguração ‘simbólica’ do novo Centro Administrativa do Distrito Federal (CADF), Agnelo foi enfático: “Todos os servidores públicos receberam os seus recursos, os que são para ser pagos agora até o dia 31, todos, todos”, inclusive em relação aos prestadores de serviços: “Não tem servidor terceirizado que não tenha recebido o salário e também o 13º”.

Publicidade

Após mentir perante a mídia do DF restou a Rollemberg tentar captar recursos para honrar com as dívidas de Agnelo. A “Agência Brasília”, responsável pela Comunicação do GDF, chegou a anunciar o pagamento para o dia 8 de Janeiro, mas teve que recuar: “A Agência Brasília errou ao informar que o pagamento dos salários dos servidores do Governo do Distrito Federal está garantido para 8 de janeiro, uma vez que isso depende das condições orçamentárias e financeiras. A Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão reitera que será feito o possível para que os servidores com salários em atraso recebam o que lhes é de direito o quanto antes.” Afirma a errata da Agência.

Com isso o pagamento de resíduos de 13º salário de mais de 10 mil servidores da saúde e da educação do DF, em atrasado desde 20 de Dezembro, permanecerá sem data para que sejam pagos os valores devidos.

Rollemberg tenta obter um adiantamento de parcela do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCO), junto ao Governo Federal para poder arcar com a folha de pagamento que tradicionalmente acontece no quinto dia útil do mês.

Na sexta-feira (2/Jan), o novo secretário de Fazenda do DF, Leonardo Colombini, novo gestor financeiro do DF reafirmou que tenta obter uma antecipação de parcela do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) para saldar a dívida, deixada por Agnelo e caso não tenha êxito que o GDF vai buscar outra saída para que “ninguém ficará na mão”.

Artigo anteriorSuspeitas contra indicado para presidir o BRB deixa distritais em alerta
Próximo artigoGilberto Kassab assume ministério das Cidades