Servidores do HRSM reclamam da falta de luvas de procedimentos

166
Print Friendly, PDF & Email

Sem insumo, secretaria aumenta gastos, pois luvas de procedimento são substituídas por cirúrgicas

Por Kleber Karpov

Na segunda-feira, um servidor do hospital Regional de Santa Maria (HRSM) denunciou a falta de luvas de procedimentos. De acordo com o denunciante, por falta de insumo, os profissionais de saúde são obrigados a utilizar luvas cirúrgicas, também, com estoque baixo.

“Depois que virou Instituto, não tivermos mais luvas de procedimento e estamos usando luvas cirúrgicas (estéril), no Hospital Regional de Santa Mari, que já está acabando também.”, disse ao informar que “estamos trabalhando com luvas cirúrgicas há quase duas semanas”, concluiu.

Questionada sobre a substituição das luvas, o servidor explicou que as as luvas de procedimentos são utilizadas para procedimentos com pacientes não estéreis, enquanto as cirúrgicas, devem ser usadas na realização de cirurgias.

Publicidade

“É usada para todos os procedimentos com paciente que não são estéreis. Como banho no leito, administrar medicações, troca de fraldas. Sempre que for necessário manipular o paciente. Exceto em procedimentos estéreis como troca de curativo, procedimentos cirúrgicos que é usada a luva estéril.”.

Desperdício de dinheiro público

O servidor denunciou ainda que com a falta de luvas de procedimento, a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), gasta mais recursos ao substituir pelas cirúrgicas. Enquanto a primeira custa, entre R$ 0,40 a R$ 0,50 a unidade, as luvas estéreis, para procedimentos cirúrgicos, variam entre R$ 2,90 a R$ 5.

“Enquanto que uma caixa de luvas de procedimentos sai em torno de R$ 18 à R$ 25, uma caixa com 50 pares (0,40 a 0,50 centavos o par) e usa muito, a luva estéril sai em torno de 2,90 a 5,00 o par. O que torna muito mais muito mais caro.”, explicou.

Ainda de acordo como profissional de saúde, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do HRSM, por exemplo, com 11 leitos, a média de consumo é de 100 pares por turno. “Dependendo do setor, por exemplo na UTI com 11 leitos, acredito que gastamos em média de 100 pares por turno de 12h, pois tem vários profissionais que precisam manipular os pacientes.”.

A outra parte

Questionada sobre a falta de luvas no HRSM, a SES-DF informou que “Por meio do programa SOS DF Saúde, a atual gestão da Secretaria de Saúde está providenciando as compras necessárias para reabastecer a rede com insumos hospitalares no menor prazo possível.”.

Em tempo

Além do HRSM, no Hospital Regional Leste, no Paranoá, servidores também relatam, nas redes sociais, a falta de luvas de procedimentos.