O alívio de um adeus, tipo… já vai tarde

1623
Print Friendly, PDF & Email

Expectativa de servidores se voltam à Osnei Okumoto, com promessa de valorização dos profissionais de Saúde

Por Kleber Karpov

Na terça-feira (1o/Jan), os servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), comemoraram a publicação do Diário Oficial do DF (DODF), que exonerou o então secretário de Saúde, Humberto Lucena Pereira da Fonseca. A frente da pasta, desde março de 2016, Fonseca deixa o governo com a pior avaliação entre os profissionais e entidades ligadas à Saúde pública do DF.

O diretor do Senado Federal, que após ser denunciado por acumular cargo de médico da família na SES-DF, abdicou da função que, embora de extrema nobreza, de baixa remuneração, se comparado ao cargo do Legislativo, para os profissionais de Saúde do DF, foi com ar de ‘já vai tarde’ e ‘não volte nunca mais’.

O nome de Fonseca figurou a ‘lista vip’ de um dos últimos atos do então governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), publicar a exoneração de 45 membros da cúpula do GDF, desses, 14 secretários de estado.

Publicidade

Nas redes sociais e grupos de mensagens instantâneas, manifestações ‘carinhosas’ aprovaram o fim da gestão de Fonseca e marcam uma nova era para os servidores da SES-DF.

O ‘secregato’, que ao assumir a pasta, pediu para ser levado a sério, é apontado como um dos responsáveis por afunda ainda mais a saúde do DF, em ações, consideradas equivocadas, entre o funcionalismo público, que foram desde perseguições a servidores, a exposição a fome, ao aumento do índice de mortes evitáveis, na capital do país. Gestão essa que também repercutiu no fracasso da tentativa de reeleição de Rollemberg.

Ao secretário, Osnei Okumoto, empossado pelo novo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), fica a expectativa por parte dos servidores de dias melhores, porém, com um ar de promessa de gestão focada na valorização dos profissionais de Saúde.