Após ação de quadrilha, moradores do Entre Lagos, colocam sob suspeita eleição para escolha de novo síndico

1549
Print Friendly, PDF & Email

Condôminos relatam ações suspeitas na gestão do condomínio e promessas de regularização há um mês das eleições, após administrar o Entre Lagos por 16 anos   

Por Kleber Karpov

Nesta quinta-feira (25/Out), moradores do Condomínio Mansões Entre Lagos acionaram Política Distrital (PD) para relatar a suspeita do processo eletivo para escolha do síndico. Maior condomínio do DF, com cerca de 2 mil moradores, no final de agosto, a gestão condominial do Entre Lagos foi envolvida em ação da Polícia Civil do DF (PCDF) que desbaratou uma organização criminosa, que atuava na venda ilegal de lotes. Os condôminos questionam ações e suspeitam que o síndico tenha algum tipo de envolvimento as práticas criminosas.

De acordo com um dos moradores do Entre Lagos, que pediu sigilo de identidade, a desconfiança está relacionada a ação do ‘funcionário de confiança’, Rodrigo Pereira da Silva, atualmente preso pela PCDF, quando funcionário do condomínio. Silva era responsável por substituir documentos verdadeiros por falsos, de lotes, aos arquivos do condomínio, além de receber interessados em comprar, inadvertidamente, os imóveis com documentação adulterada pela quadrilha, isso, sob a gestão do atual síndico, identificado por Adilson Barreto.

Ações suspeitas

Publicidade

De acordo com o morador, a maior preocupação ocorre em decorrência de ações “mais antigas, nos anos de 2015 a 2017”, em que Silva, o criminoso, além de acesso a documentos também exercia certa ‘influência’ junto a gestão condominial, uma vez que chegou a figurar em documentos oficiais, na condição de membro da Câmara de Fiscalização, do condomínio. Outra moradora também faz referências a influência do criminoso na gestão condominial do Entre Lagos.

“O problema é que em outubro de 2016, em assembleia realizada a mais de 12 km de distância do condomínio, no Centro Cultural Israel Pinheiro, no Lago Sul, local considerado distante por muitos moradores, o síndico propôs que fosse feito empréstimo para um novo projeto de iluminação em nome da associação denominada Prefeitura Comunitária. A ata da assembleia do condomínio a que tivemos acesso menciona o banco, mas não especifica valor, condições de pagamento nem taxa. E o assunto ‘empréstimo’ não consta no edital da assembleia. Essa ‘Prefeitura’ se reuniu um ano depois, em 27/10/2017. O primeiro nome da ata a que tivemos acesso é Rodrigo Pereira da Silva [Preso]. Rodrigo consta como membro da Câmara de Fiscalização. Na reunião, Rodrigo e outras onze pessoas, duas delas sem indicação de qual lote seriam proprietárias, formalizaram o contrato do empréstimo de R$ 1,2 milhão.”.

Ata 2008

Ata Abril de 2017

Laranja?

Para o morador do Entre Lagos que conversou com PD, “a suspeita é que esse cara [Silva], possa ser apenas um laranja do atual síndico. Quando desbarataram a operação, caiu no colo desse cara [Silva]. Mas para mim, o síndico tem envolvimento. Para ele é uma grande vantagem a administração do condomínio que tem uma receita de aproximadamente R$ 700 mil por mês. É o maior condomínio do DF.  Ele não quer largar o osso porque tendo acesso a administração a associação tem acesso a documentação. E aí toda essa maracutaia ele tem feito, vai aparecer.”, explicou.

Suspeitas e promessas

Ainda de acordo com o morador, para tentar ‘garantir’ a vitória nas eleições, além da escolha de local há 12km de distância, o síndico adotou ainda uma outra tática de prometer a regularização do condomínio. “Nesse desespero ele está prometendo que vai regularizar o condomínio, o que ele vem prometendo há 16 anos, o que nunca aconteceu.”. Tal posição vai de encontro a narrativa da moradora.

“Em outubro deste ano, mês de eleições no condomínio, a administração distribuiu dia 8 um informativo chamado ‘Síndico convida condôminos para escriturar os lotes’. Nele diz-se que ‘os moradores criaram a ASMEL – Associação de Proprietários e Moradores do Entre Lagos, a fim de promover a regularização e escrituração dos lotes em conjunto com a administração do condomínio’. O convite diz que a administração  disponibilizou uma estrutura para receber e orientar os proprietários que tenham interesse em efetuar as escrituras de seus lotes. O convite dá prazo até 22 de outubro para isso. Ou seja, 3 dias antes das eleições. Na quarta-feira, véspera de eleição, funcionários da administração distribuíam na portaria um outro informativo, no qual lê-se que a ASMEL, a (Associação dos Moradores) está autorizada a representar os proprietários no processo de escrituração. A eleição será nesta quinta, no mesmo Centro Cultural Israel Pinheiro. A chapa atual, com o mesmo síndico há mais de uma década, chama-se “A um passo da escritura”.  Depois da prisão do funcionário tão presente na administração, o prazo tão curto de recadastramento e a promessa de escritura não convenceram muitos moradores.”, explicou a moradora.

Cadê a ata?

A moradora questionou ainda o sumiço de atas publicadas no site do Condomínio Mansões Entre Lagos. “A ata da assembleia que autorizou o empréstimo não está mais no site do da administração do condomínio (http://www.entrelagos.com.br/maisNoticias.asp) onde a ata mais recente encontrada é de outubro de 2015.”.

A outra parte

PD tentou contato com o síndico do Condomínio Mansões Entre Lagos, porém, sem sucesso.