Rollemberg prega sonho mas impede deputado de mostrar pesadelos no Instituto Hospital de Base

809
Print Friendly, PDF & Email

Convidado a constatar falta de medicamento, equipamento e leito de UTI que levou paciente ao óbito no IHBDF, deputado Wellington Luiz é confrontado e impedido por seguranças e direção do hospital de constatar denúncia

Dois vídeos publicados, na noite segunda-feira (9/Set), pelo deputado distrital e vice-presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF), Wellington Luiz (MDB), na rede social Facebook, viralizaram e despertam a atenção para uma possível farsa, do atual ocupante do Palácio do Buriti, o governador, Rodrigo Rollemberg (PSB), em relação ao ‘sonho’ do Instituto Hospital de Base do DF (IHBDF).

Após receber denúncia da morte de paciente, ocasionado por falta de medicamento, equipamentos e leito de UTI, além da falta de suporte, adequado, do Instituto do Coração do DF (ICDF), o parlamentar foi até o hospital, na tarde de domingo (9/Set), para constatar denúncia por parte de servidores do IHBDF. Porém, Wellington Luiz foi confrontado por vigilantes que tentaram impedir a entrada do distrital para que fizesse a fiscalização da denúncia.

Em um dos vídeos, é mostrado a tentativa de se tentar impedir que o parlamentar adentrasse às dependências do IHBDF, mesmo após se identificar como parlamentar. Um dos vigilantes chegou a ser contido por um assessor de Wellington Luiz, após chegar a tentar sacar o revolver, ocasião em que chamou os “papa mike”, jargão utilizado para identificar a Polícia Militar, para o vice-presidente da CLDF.

Publicidade

Superado o problema com os vigilantes, em outro vídeo, o parlamentar passou foi, posteriormente, impedido de constatar denúncia de falta de medicamento na Farmácia do IHBDF. Mas, dessa vez por uma funcionária do IHBDF exigiu que se encaminhasse a demanda, oficialmente, o que Wellignton Luiz classificou como “obstrução do trabalho de um parlamentar” que tem por ofício, o papel de fiscalizar por parte do Legislativo.

Denúncia I

Ao Política Distrital (PD), o vice-presidente da CLDF informou que denunciou o caso ao Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), ao Tribunal de Contas do DF (TCDF),  {a presidência da CLDF, registrou Boletim de Ocorrência (BO) junto a Delegacia de Polícia Civil do DF (PCDF) e que não houve tempo hábil, mas deve denunciar a caso ainda junto a Ministério Público Federal (MPF), uma vez que os recursos do IHBDF são oriundos do Sistema Único de Saúde e, consequentemente, do Governo Federal.

Denúncia II

Um dos motivos para a blitz de Wellington Luiz ao IHBDF estava relacionado à morte de Maria Aparecida Silva, de 74 anos. A idosa veio a óbito após a médica do Centro Neurocardiovascular (CNCV), Sandra Marques exaurir as possibilidades de tentar conseguir um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para a realização de um procedimento cirúrgico de angioplastia.

Embora houvesse disponibilidade de leito de UTI no Instituto do Coração do DF (ICDF), a profissional de Saúde, além da dificuldade de conseguir contatar o ICDF por telefone, recebeu negativas, reiteradas, para o pedido de internação da usuária do Sistema Único de Saúde do DF (SUS-DF), em caráter prioritário. Isso porque os gestores estabeleceram que casos prioritários, necessariamente, exigiam que os pacientes estejam entubados.  No documento, a médica narrou ainda a falta de capacitação dos profissionais de Saúde do IHBDF, em relação a se prestar o pronto atendimento à idosa.

“A equipe que estava na sala amarela não sabia como proceder nem onde estavam as medicações para RCP [Reanimação Cardiopulmonar]. Fui obrigada a chamar ajuda no posto 4 e descobrimos que o carrinho de parada não tinha prancha rígida para RCP, o desfibrilador não tinha cabo para monitorização por ECG [Eletrocardiograma], e não tinha gel para as pás [de DEA] e as saídas de vácuo não estavam funcionando.”.

Entre as tentativas, narradas pela profissional de Saúde, por meio de documento, está casos de possível negligência médica, tanto por parte de gestores do IHBDF, quanto de deficiência de atendimento no Instituto do Coração do DF (ICDF), entidade filantrópica que absorveu demandas cardiológicas de praticamente toda rede da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF).

Confira outros documentos sobre o caso

 

‘Rollembergmente’?

O caso narrado pela médica dá a exata noção do contraste entre o discurso em que Rollemberg tenta jogar ‘goela abaixo’ que o IHBDF é um ‘sonho’, quando na verdade, a unidade permanece a ser um pesadelo aos usuários.

Embora o atual ocupante do Buriti alardeie a facilidade de aquisições de medicamentos, insumos e equipamentos, decorrente da dispensa de licitações, a realidade mostra que, mesmo com tais ‘facilitadores’ suspensos recentemente pelo Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), a gestão do Hospital de Base, permanece com os mesmos problemas.

O que diz a SES

Em matéria veiculada pelo DFTV 2, a SES-DF chegou a se manifestar ao sugerir que o parlamentar “tentou entrar na UTI sem prévia autorização.”, além de estar “forçando a entrada”, além de ameaçar vigilantes do IHBDF. Porém, tais posições são rebatidas pelo parlamentar e podem ser constatadas com vídeo publicados por Wellington Luiz nos vídeos publicados na rede social contendo uma ressalva: “Assista e compartilhe o vídeo que mostra a verdade sobre a entrada do deputado Wellington Luiz no Instituto Hospital de Base. A verdade que a Globo não mostrou a mando de Rollemberg”.

Mas, a pergunta que não quer calar é: Por que a direção do IHBDF não quer mostrar a UTI do IHBDF para representante do povo e fiscalizador da CLDF?

1

Comentário