Pré-candidata ao GDF, Eliana Pedrosa fala sobre Saúde Pública

450
Print Friendly, PDF & Email

Eliana Pedrosa falou de importância da terceirização de exames complementares para contornar gastos e obsolescência de equipamentos de alto custo

Por Kleber Karpov

Durante sabatina realizada, na segunda-feira (11/Jun),  pela Associação de Blogueiros de Política do DF e Entorno (ABBP), a ex-deputada distrital e pré-candidata ao GDF, Eliana Pedrosa (PROS), falou sobre diversso temas de interesse da população do DF. Dentre os temas abordados, a postulante ao Buriti falou sobre saúde pública.

Questionada pela jornalista e blogueira Claudete Nascimento, do blog Brasília Sincera, Eliana Pedrosa falou sobre terceirização no serviço público, Eliana Pedrosa afirmou ser defensora da terceirização dos exames complementares. “Com a evolução da tecnologia é muito melhor terceirizar o exame desses equipamentos, que tê-lo ali, que é o caso, pois muitas vezes hoje não têm peças para esses equipamentos na saúde.”, disse.

Empresária, Eliana Pedrosa justificou a defesa da terceirização para os exames complementares, ao levar em consideração, práticas atualmente utilizadas no mercado. “Empresa privada ela não compra mais nem impressora para colocar dentro de sua sala, ela terceiriza, pois deu defeito, imediatamente é trocada.”, explicou.

Publicidade

Experiência exitosa

Para contextualizar tal defesa, Eliana Pedrosa narrou experiência que viveu, em 2017, no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), autarquia especial vinculada ao governo de São Paulo (SP), criada 2008, como Organização Social de Saúde (OSS), por meio de uma parceria firmada entre a Fundação Faculdade de Medicina, a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e a Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP).

“Estive no Instituto de Câncer de São Paulo e lá todos os equipamentos são terceirizados. Existe um tempo máximo de reposição. As empresas já deixam dois, três, lá pois não querem pagar multas altíssimas. E não fica um equipamento quebrado naquele hospital. Tudo funciona. Fui em todos os departamentos, passei por todos os setores de hospital e realmente saí de lá encantada.”.

Eliana Pedrosa observou ainda que “a menor taxa de mortalidade de UTI oncológica do mundo é do Hospital de Câncer de São Paulo, hospital SUS, onde todos os servidores têm orgulho de pertencer ao sistema SUS. E não é noticiado isso e todo mundo pensam que é [Alberto] Einstein, Sírio Libanês, que é o Hospital do Texas, é do Hospital de Câncer de São Paulo, essa menor taxa de mortalidade de UTI e, não é noticiável, é público e a gente não faz propaganda disso.”.

Vergonha à capital do país

Ainda sobre o tema terceirização, Eliana Pedrosa ratificou a confiança no Sistema Único de Saúde (SUS), mas apontou o impacto da obsolescência de equipamentos no atendimento à população do DF. Segundo a postulante ao Buriti, o DF, atualmente, é a unidade da Federação com o maior tempo de espera para acesso a cirurgias eletivas.

“O DF é a unidade da federação, vergonha nossa pois aqui é a capital federal, com o maior tempo de espera para cirurgias eletivas. O pessoal está saindo daqui para fazer cirurgia no Piau onde o tempo de espera é de 100 dias. Tem no Maranhão, no Ceará, tem no Amapá que eu fiquei sabendo essa semana para fazer cirurgia.  Isso é uma vergonha para o Distrito Federal.”.

Valorização dos servidores

Para Eliana Pedrosa, o impacto do desastre da Saúde pública do DF, ocorre em detrimento da gestão, uma vez que existe o reconhecimento da qualidade dos serviços prestados pelos servidores da Saúde, ao voltar a defender a terceirização dos exames complementares, para agilizar e baratear custos.

“O servidor é super-qualificado. Todo mundo se tiver um acidente de trânsito, vai querer ir para o Hospital de Base. Não é pela forma e modalidade de operação é pelos profissionais que estão lá”, disse o observar que no mundo, atualmente, é possível se fazer diagnóstico, inclusive, a distância. “Se for mais rápido e mais barato, é o que eu estou procurando”, justificou.

Porém, ao ser questionada quanto a necessidade de haver profissionais preparados para o manuseio desses equipamentos, locados, Eliana Pedrosa endossou a necessidade de os equipamentos serem acompanhados de mão-de-obra especializada. “Eu quero o equipamento com laudo, eu não quero esperar nove meses para ter o resultado de uma ecografia aqui no Distrito Federal não.”, disse.

Saúde x recursos

Também questionada sobre as prioridades estabelecidas na gestão da Saúde do DF, Eliana Pedrosa afirmou a importância das Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Embora, originalmente, as UPAS tenham por definição, realizar atendimentos intermediários, Eliana Pedrosa considerou, “o melhor dos mundos” a política de transferência de atendimento de casos de baixa e média complexidade para as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), por gerar economia ao Estado.

“Quanto ao serviço das UPAs que hoje está acontecendo no DF, se você passa mal e até chegando aos extremos e você vai para um hospital para ser atendido já está sendo referenciado para a UPA, hoje não está sendo mais atendido nos prontos socorros, hoje já está sendo referenciado para as UPAS. E isso é o melhor dos mundos, porque se eu atendo no Hospital, diretamente na emergência do hospital, eu pago 100% com recursos do Distrito Federal, se eu levo para a UPA eu vou dividir a despesa com o Governo Federal.”, afirmou.

Eliana Pedrosa ponderou ainda, como benefício, que o atendimento da alta complexidade, para os hospitais, maior disponibilidade de recursos para o DF, por parte do governo federal.

“Então ir para a UPA não só é mais interessante, sob o aspecto de ter os atendimentos mais leves, menos complexos na UPA, e consequente vai ser mais rápido e as pessoas melhores atendidas, e deixar aqueles casos de politraumatismo, os casos mais graves para ser atendidos nos hospitais o distrito federal vai receber mais dinheiro do governo federal, então vai ter um alivio para o nosso caixa, então, isso é o ideal isso é necessário que seja feito.”, justificou.

Questionada que o benefício seria interessante, apenas à gestão, e, não necessariamente aos usuários, Eliana Pedrosa afirmou que “esse é um desafio que o governador terá que tomar para si”.

Centrad

Ainda em relação a Saúde, Eliana Pedrosa afirmou que, se eleita governadora do DF,  pretende utilizar parte do Centro Administrativo (CENTRAD) para implantar uma Policlínica.

0

Comentário