Você se lembra do Secregato? Cruel heim???

1189
Print Friendly, PDF & Email

Por Kleber Karpov

Imagine um cenário em que um servidor da Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) passa a noite em regime de plantão, atendendo pacientes, em um hospital superlotado, transbordando pelos corredores, em um ambiente com poucos servidores, total falta de estrutura, pacientes reclamando por falta de medicamentos, acompanhantes revoltados por falta de atendimento.

Com o secretário de saúde retirando recursos, mascarando as horas extras comoTPD, para tentar pagar menos os servidores e, sempre que possível, barrando incentivos a exemplo das dificuldades impostas para se conceder as 40 horas, retirando gratificações aqui e ali.

Com gestores desesperados, sem conseguir fechar escalas ou ter adesões dos servidores para fazer horas extras, agora disfarçadas de TPD, e com isso vivem a pressionar os servidores, assediá-los, ameaçá-los a cumprir escalas surreais, e responsabilizando os profissionais de saúde a garantirem atendimentos de dezenas de pessoas simultaneamente.

Imaginou?

Publicidade

Agora some a isso, o servidor virar a noite nesse ambiente e, ao terminar a escala de trabalho, não poder tomar um cafezinho, antes de ir embora. Na gestão do governador do Distrito Federal, o socialista, Rodrigo Rollemberg (PSB), isso existe.

Agora imagine um cenário, em que um acompanhante, entre 20 e 59 anos,  seja obrigado a passar a pernoitar, ou passar as 24 horas mesmo, ao lado de um paciente internado, num ambiente ‘hostil’, insalubre, com outros pacientes sofrendo com dores, sentados em uma poltrona velha ou cadeira desconfortável.

Leve em consideração que esse paciente, muitas vezes está internado por falta de médico, equipamento ou estrutura apropriada para a realização de uma cirurgia, obrigado a ficar 20, 30, 60 dias, no hospital, enquanto aguarda o tempo passar, ao sabor da sorte, por um procedimento.

Agora some a isso, que eventualmente esse acompanhante possa ficar impedido de trabalhar e que, consequentemente, aquelas onças na carteira podem ter se tornado uma moeda ou mesmo ter se esgotado. E com isso, essa pessoa, entre 20 e 59 anos, não receberá alimentação no hospital.

Imaginou?

Essas são algumas das novas regras, estabelecidas pelo secretário de Estado de Saúde do DF, Humberto Lucena Pereira da Fonseca em relação ao fornecimento de refeições hospitalares, nas unidades de Saúde do DF.

O estranho disso tudo…

É que certamente, o socialista Rodrigo Rollemberg e seu gato Cruel devem regurgitar que reduziram valores dos contratos com empresas de alimentação hospitalar. Mas, a pergunta que fica é: A que custo? De acordo com a SES, “Os valores pagos às empresas de alimentação são calculados sobre a demanda. Assim, com a redução do número de alimentações fornecidas, naturalmente os valores pagos para alimentação dos servidores será reduzido.”

Agora vou te fazer uma pergunta… Você se lembra do Secregato?

Para os servidores da Saúde do DF, qualquer semelhança de Humberto Fonseca com o gato Cruel do Rollemberg Gargamel, não será mera coincidência. Tanto, que a pedido de um servidor da SES-DF, sob pedido de sigilo de identidade, PD publica cena, supostamente comum, aos comandantes maiores do GDF e da SES-DF se divertindo com seu fiel escudeiro.

Atualização: 7/6/18 às 8h39

1

Comentário