Lei da Mordaça de Rollemberg: Se queria publicidade, conseguiu, pois cresce apoio de jornais e colunistas contra censura ao Metrópoles

172
Print Friendly, PDF & Email

Mais veículos de imprensa reforçaram o coro de críticos a Rollemberg, que veem ataque do governador à liberdade de expressão

Por Otto Valle

Dois dias após o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) usar a Agência de Fiscalização do DF (Agefis) para censurar o Metrópoles, cresceu o apoio de veículos de imprensa ao portal. Nesta segunda-feira (4/6), o renomado colunista Matheus Leitão, do Globo.com, manifestou indignação com a atitude arbitrária do chefe do Executivo distrital.

Para o jornalista, Brasília foi “surpreendida com a censura em pleno 2018”. Conforme citou, o Governo do Distrito Federal (GDF) retirou o painel digital instalado em um edifício no Setor Bancário Sul (SBS) após o equipamento veicular conteúdo “que continha críticas à gestão” Rollemberg. Matheus passou por redações da Época, iG, Folha de S.Paulo e Correio Braziliense.

Twitter/Reprodução
Twitter/Reprodução

A diretora de Redação da Agência Lupa, Cristina Tardáguila, também manifestou indignação. Pelo Twitter, Cristina disse que “ninguém vai conseguir calar os jornalistas” e se solidarizou com o Metrópoles. A Lupa é a primeira agência especializada em fact-checking no Brasil e, devido à seriedade e rigor na apuração, rapidamente angariou respeito de toda a imprensa, do meio político e do público no país.

Twitter/Reprodução
Publicidade

Ricardo Noblat, colunista da revista Veja, apontou uma contradição do atual governador. Ele lembrou da época em que era diretor de Redação do Correio Braziliense e, em 2002, o veículo sofreu censura do então chefe do Executivo, Joaquim Roriz.

“Quando deputado distrital, Rodrigo Rollemberg me procurou para prestar solidariedade ao jornal”, disse Noblat no Twitter. “Como governador, desativa o painel de notícias do mais completo site de informações de Brasília. Vergonha!!!”, completou o conceituado jornalista.

Twitter/Reprodução

No domingo (3), a colunista Andreza Matais, do Estadão, incluiu em sua conta no Twitter a reportagem publicada pelo Metrópoles na qual a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional DF (OAB-DF) condenam a ação do governo.

“Enquanto isso, em Brasília, o governador manda retirar painel com notícias. Defende a liberdade de imprensa? Compartilhe!”, pediu Andreza Matais aos seguidores.

Twitter/Reprodução

Nesta segunda (4), ela abordou o tema na coluna impressa do tradicional periódico paulista.

Confira:

Reprodução
Reprodução

A colunista também comentou o assunto em sua conta pessoal no Twitter e ironizou Rollemberg. Conforme pontuou, se o governador do DF fosse prefeito de Nova York, uma importante atração turística da metrópole norte-americana estaria ameaçada.

Twitter/Reprodução
Twitter/Reprodução

Quem também se manifestou nas redes contra o autoritarismo de Rollemberg foi o jornalista do Estadão e escritor Leonencio Nossa: “A censura costuma revelar não apenas autoritarismo, mas a fraqueza encoberta pelo poder”.

Twitter/Reprodução
Twitter/Reprodução

Em plena democracia, O Estado de S.Paulo também já foi alvo de censura. O periódico tem, em seu site, uma página dedicada ao tema.

Principal veículo do Paraná, a Gazeta do Povo igualmente repudiou os ataques de Rollemberg à liberdade de imprensa. Reportagem publicada no domingo (3/6) destaca que o “GDF censura painel de jornal que criticava o governador“.

Em 2016, a própria Gazeta do Povo sentiu o peso da máquina estatal, quando foi alvo de diversas ações judiciais coordenadas por magistrados do Paraná contra o jornal. A investida ocorreu após uma série de reportagens publicadas sobre a remuneração dos membros do Poder Judiciário e do Ministério Público do estado.

Ao comentar a censura no Twitter, o jornalista Claudio Dantas retuitou post da diretora de Redação do Metrópoles, Lilian Tahan, e foi enfático. “Por que não estou surpreso, Rollemberg?”, indagou Dantas, um dos fundadores do site O Antagonista e ex-editor da IstoÉ, com passagem pela Folha de S.Paulo.

Twitter/Reprodução
Twitter/Reprodução

O diretor de Redação da revista CrusoéRodrigo Rangel, também usou o Twitter para lamentar a atitude de Rollemberg.

“O governador do Distrito Federal vai à Justiça para retirar um painel de notícias – notícias que o incomodavam, inclusive – no centro de Brasília. Como se não existissem problemas de verdade para ele resolver na capital do país”, frisou o jornalista.

Twitter/Reprodução
Twitter/Reprodução

Fundador do site Congresso em Foco, referência da cobertura política em Brasília e no país, Sylvio Costa lembrou que a democracia “é uma planta frágil, que requer cuidados diários e permanentes esforços para aprofundá-la e aprimorá-la”.

No momento em que uma parcela crescente da população passa a defender a volta da ditadura, que é o mais odioso dos regimes políticos, os governantes devem dar bons exemplos, reafirmando os princípios democráticos e demonstrando tolerância com as críticas. Agir de modo diferente é dificultar o livre exercício do jornalismo

Sylvio Costa, fundador do site Congresso em Foco

Comandado pelos jornalistas Fernando Rodrigues e Tales Faria, o site Poder 360 deu destaque para a notícia. Mostrou que a motivação da retirada foi a veiculação de uma campanha publicitária do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do Distrito Federal (SindSaúde), no dia 16 de maio. “O sindicato criticava a gestão de Rollemberg e falava em incompetência e omissão”, destacou o Poder 360.

Imprensa calada
O site O Livre, de Mato Grosso, também prestou solidariedade ao Metrópoles. Texto assinado pelo jornalista Guilherme Waltenberg, diretor de Jornalismo da plataforma, pontuou o ataque sofrido pelo grupo.

É inadmissível que o poder público se escore em legislações obscuras para disfarçar a censura. A inovação, aquilo que o Metrópoles tem como marca desde que foi lançado, não pode ser calada para atender aos caprichos de qualquer que seja o grupo no poder – sobretudo em ano eleitoral

Guilherme Waltenberg, diretor de Jornalismo de O Livre

Especializado em notícias jurídicas, o site Jota também repercutiu o episódio. “O caso Metrópoles: cumprindo a lei ou impondo a censura?”, questionou.

Outro tradicional site voltado para a cobertura jurídica, o Migalhas abordou o tema nesta segunda (4/6): “Remoção de painel digital de site de Brasília gera discussão sobre eventual censura”.

Portal Comunique-se comentou o assunto em reportagem publicada nesta segunda-feira (4), sob o título Censura: site denuncia governador do DF.

Para o site Justiça em Foco, a ofensiva do governador foi uma “atitude traiçoeira”, segundo texto divulgado nesta segunda (4). Na matéria General Rodrigo Rollemberg tenta censurar o Portal Metrópoles, a publicação diz que o político “usou de todas as maneiras seu poder de chefe do Executivo local” para coibir a imprensa livre.

Jornal Alô Brasília dedicou a coluna política desta segunda à arbitrária decisão de Rollemberg e frisou que entidades defensoras da liberdade de imprensa se manifestaram em solidariedade ao grupo Metrópoles.

Em reportagem publicada nesta segunda-feira, o site Teleguiado foi outro veículo a destacar a censura do GDF. A matéria diz que “a ação [da Agefis], realizada a toque de caixa, é tratada como uma represália às reportagens que denunciaram a omissão da Secretaria de Saúde do Distrito Federal em relação ao gravíssimo caso clínico do bebê Matheus, morto na última sexta-feira (1°)”.

A jornalista e ativista Leiliane Rebouças também se manifestou nas redes sociais. “Por que somente agora o governo de Brasília resolveu se preocupar com uma suposta ‘poluição visual’? O que é um painel eletrônico diante de um Teatro Nacional fechado? Diante de um Museu da República necessitando de reformas?”, indagou.

Até ex-número um de Rollemberg critica o governador
Hélio Doyle, jornalista e ex-chefe da Casa Civil de Rollemberg, foi incisivo ao classificar a atitude do governador de retaliação ao Metrópoles.

Doyle, que há anos convive com o governador e conhece a personalidade de Rollemberg como poucos, cravou, em seu blog, o motivo do ataque ao painel eletrônico: “O governo só os retirou para impedir críticas do Metrópoles“.

Para o ex-braço direito do governador, “é óbvio que a retirada apenas agora, às vésperas da eleição, é uma ação política do governo, incomodado pelo painel do portal Metrópoles“. Hélio Doyle ressalta que a medida foi uma punição, pois Rollemberg “não tem como enquadrar o Metrópoles como faz com outros veículos de imprensa”.

O painel, em local de grande movimento, vinha expondo críticas ao governador Rodrigo Rollemberg e a sua gestão – o que, além de ser um direito do portal, é o que fazem nove entre 10 brasilienses 

Hélio Doyle, jornalista e ex-chefe da Casa Civil de Rollemberg
Jornais regionais e blogs

Além de jornais de repercussão nacional, veículos com inserção local também repercutiram a truculenta ação do Governo do Distrito Federal. O Diário de Ceilândia, por exemplo, ressaltou que “o governador Rodrigo Rollemberg demonstra claramente todo o conservadorismo que, em pleno século 21, permanece impregnado nos mais diversos setores da política brasiliense e brasileira”.

O episódio foi registrado no site Brasiliários, do jornalista Romário Schettino, ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal. A matéria Censura em pauta: Rollemberg x Metrópoles apresenta um resumo do caso e registra manifestações de entidades e defensores da liberdade de opinião e de imprensa em repúdio à censura.

O site Política Distrital, do jornalista Kleber Karpov, traz um compilado de matérias sobre o tema e classifica a atitude de Rollemberg como “Lei da Mordaça”. Odir Ribeiro, do Blog Rádio Corredor, também se solidarizou e disse que a censura se trata de ação “abjeta”. O blogueiro Rodrigo Pilha, da página Botando Pilha, subiu o tom: “Estão esperando o que para depor esse tirano?”

Também repercutiram a censura imposta por Rollemberg o Brasília in Foco News, a Tribuna Brasiliense e o Contexto Exato.

No Facebook, o Jornal Notícias de Brazlândia provocou: “Estamos em um país democrático ou não?”. Em um post no Facebook, o site Cidades e Condomínios também usou as redes sociais para se solidarizar e classificou a atitude do governador como característica de “regimes ditatoriais”.

Fonte: Metrópoles

0

Comentário