Detector de Corrupção: Rollemberg vira ‘corrupto’, da noite para o dia

880
Print Friendly, PDF & Email

Após denúncia de Política Distrital, responsáveis por aplicativo ‘corrige’ erro em que Rollemberg figurava sem ação de improbidade administrativa

Por Kleber Karpov

Após publicação de matéria intitulada Política Distrital (PD) que questionou ‘Detector de corrupção: Uma dúvida razoável sobre a ‘santidade’ de Rollemberg no DF pode arranhar aplicativo’(2/Abr), o App criado pelo Instituto Reclame Aqui, deu uma verdadeira prova de agilidade e Rollemberg entrou para o roll de supostos corruptos do DF.

O caso ocorreu após PD questionar, a lisura do app, ao analisar o caso do pré-candidato a governador do DF, Jofran Frejat (PR) e do atual governador, que deve tentar a reeleição, Rodrigo Rollemberg (PSB). Isso porque, estranhamente, o atual chefe do Executivo, constou no Detector de Corrupção, na condição de isento de processos por improbidade administrativa.

Essa ‘miopia’ do aplicativo, rendeu diversas críticas da classe política e de especialistas ligados a áreas do Direito, Ciências Políticas e do Marketing Político, pois a ser lançado às vésperas de um processo eletivo, com um ‘problema’ dessa natureza, o poder de viralização, pode influenciar o resultado das urnas dos 5.770 municípios brasileiros.

Publicidade

Vale observar que, além da ‘miopia’, especialistas apontam outras preocupações em relação ao aplicativo, a exemplo de, como o algoritmo do App se comporta com questões relacionadas à tramitação dos processos nas instâncias dos tribunais brasileiros, ou ainda com o trânsito em julgado. O sistema faz distinção entre a ação ajuizada e as decisões da Justiça? O aplicativo leva em consideração, um processo ajuizado em primeira instância questionado em segunda e também nos tribunais superiores? Caso que deve ser apurado pelo Ministério Público Federal (MPF) e, deve chegar ao Superior Tribunal Eleitoral (TSE).

De volta ao DF…

A turma de Buriti, que com a viralização do aplicativo no DF, tirou o dia para ‘tripudear’ em relação a outros prés-candidatos, os responsáveis pelo APP, Detector de Corrupção, rapidamente corrigiu o problema, no caso de Rollemberg. Com isso, da noite para o dia, o DF ganhou um suposto novo corrupto.

Resultado? A turma do Buriti agora tenta ‘convencer’ que, embora Rollemberg tenha se tornado réu no em improbidade administrativo no Processo no2016.01.1.102519-0, em tramitação no Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), ajuizado pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), na verdade se refere a ‘outra coisa’.

Esse é o caso do Secretário de Estado de Comunicação do DF (SECOM-DF), Paulo Fona, que em grupos do aplicativo Whatsapp, publicou uma ‘Nota à Imprensa – Rodrigo Rollemberg – REFIS/2015’. Porém, chama atenção que a referida nota não consta no site oficial da SECOM-DF, Agência Brasília. O que resultou em uma dúvida por parte de PD, uma vez que na última semana, Fona, enquanto cidadão, andou taxando matéria publicada pelo blog Tudo OK Notícias, com uma tarja de Falso.

Nesse caso a dúvida era, Fona publicou a nota enquanto cidadão, embora aparentemente, seja uma nota, supostamente oficial, ou enquanto Secretário de Comunicação, que pode, eventualmente, ter errado o local da publicação? Isso porque o site da Agência Brasília em nenhum momento disponibilizou tal Nota à Imprensa.

PD questionou o secretário de Comunicação, Paulo Fona, sobre o assunto, mas até o momento da publicação, não obteve retorno sobre tal publicação.

Mas para dar uma força, seja ao Paulo Fona ou à Secretaria de Comunicação, PD reproduz a nota, na íntegra, para que os leitores tirem as próprias conclusões.