Rollemberg anuncia nomeações no DF, mas ignora Educação

456
Print Friendly, PDF & Email

Governador foi criticado por deputados distritais e representantes de entidades sindicais

Por Kleber Karpov

Na sessão ordinária da Câmara Legislativa do DF (CLDF), a ausência de anúncio por parte do governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), para a Educação, se tornou alvo de crítica dos parlamentares. A ‘falta’ do chefe do Executivo também foi alvo de crítica por parte do Sindicato dos Professores do DF (SINPRO-DF).

Um dos críticos, na CLDF, a se posicionar foi o deputado distrital, Wasny de Roure (PR). O parlamentar apelou ao GDF para reconsiderar e convocar também professores e orientadores educacionais aprovados em concurso público. Wansy ponderou que a rede pública de ensino cresceu 10% no ano passado e continua aumentar o número de alunos, enquanto o quadro de pessoal continua defasado. “É um silêncio inexplicável. Não consigo entender porque o governo ignorou a área de Educação”, lamentou Wasny.

Wellington Luiz (PMDB), por sua vez, sugeriu que os distritais devem intervir para garantir as nomeações também para a área de Educação. Na mesma linha seguiu, o colega, Reginaldo Veras (PDT). Para o distrital, o GDF comete ilegalidade ao ocupar carências definitivas com contratos temporários. Veras observou ainda que a legislação proíbe tal prática e exige que as vagas sejam ocupadas por professores concursados. O parlamentar sugeriu que o Tribunal de Contas do DF (TCDF) investigue a situação e faça cumprir a Lei.

Publicidade

Sinpro 

No meio sindical, a direção do SINPRO-DF lembrou que o próprio GDF solicitou, recentemente, aporte financeiro à CLDF, destinado a nomeação de novos servidores. “Rollemberg não colocou na Previsão Orçamentária Adicional a contratação de professores(as) e orientadores(as) educacionais. Além disto, tem descumprido a lei: não executou a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018 com a nomeação de 600 professores que já estava previsto, e nem a parte da LOA que definia a nomeação de orientadores(as) educacionais.”.

“É diante disto que a educação pública do Distrito Federal corre o sério risco de perder a qualidade, tendo em vista que não há investimento do governo em recursos humanos, na melhoria e reforma de escolas e no respeito às leis e aos educadores. As nomeações de professores e orientadores que ocorreram este ano aconteceram com remanejamento de verba da LOA de 2017, inclusive nomeações que foram tornadas sem efeito do ano de 2017 foram adicionadas às 600 previstas na LOA de 2017.”, aponta no site da entidade.

Reunião com concursados

O SINPRO-DF agendou reunião com os professores aprovados nos concursos públicos de 2013, 2014 e 2016 para reunião no dia 27 de março, às 19h, na sede do sindicato (SIG Quadra 6 Lote 2260 – Setor Gráfico) para discutir o problema.

Com informações de CLDF e do Sinpro-DF

0

Comentário