Com previsão de 1200 atendimentos, Novembro Azul, no DF pode ficar apenas no toque

13
Print Friendly, PDF & Email

Desde 1o novembro, a luz azul se iluminou no Palácio do Buriti. Anúncio do Novembro Azul no Executivo local resgata campanha com objetivo de chamar  atenção à importância da prevenção do câncer de próstata. Mas no DF, sindicato acende alerta vermelho e denuncia que Secretaria de Saúde pode gerar resultados catastróficos, além de desperdiçar recursos

Por Kleber Karpov

André Angelo, presidente do SINTRALAB-DF – Foto: Divulgação

O secretário de Estado Saúde do DF (SES-DF), Humberto Lucena Pereira da Fonseca, convocou uma reunião, na última quarta-feira (8/Nov), para anunciar o lançamento do que inicialmente seria um mutirão, mas posteriormente foi convertido em uma campanha “contínua”, porém, “enquanto tiver reagente”, de prevenção ao câncer de próstata.Com previsão de realização de cerca de 1.200 diagnósticos em Ceilândia, profissionais de saúde prevêem a possibilidade de a campanha se tornar um fiasco. Entre os motivos estão a falta de planejamento em tempo hábil, de pessoal, equipamentos e até reagentes que somados, podem comprometer as realizações de exames e resultar em diagnósticos falhos.

A denúncia foi realizada pelo presidente do Sindicato dos Técnicos e Auxiliares em Laboratório do DF (SINTRALAB-DF), André Angelo, ao relatar as condições do Laboratório Regional de Ceilândia (LRC) da SES-DF, unidade que atende demandas de Ceilândia e Brazlândia, para a realização da campanha de prevenção ao câncer de próstata. Sindicalista aponta que problema deve ser comum à toda rede de saúde do DF.

Falta de estrutura

Um dos principais exames para diagnóstico do câncer de próstata é o Prostate-Specific Antigen (PSA) ou Antígeno Prostático Específico, em português. Por falta de contrato, o aparelho foi recolhido e, atualmente, a SES-DF conta com apenas três equipamentos para a realização do PSA nas unidades de saúde do DF. Nos hospitais regionais de Taguatinga (HRT) e de Ceilândia (HRC) além do Hospital de Apoio.

“Um dos exames que serve para triar e diagnosticar não está sendo realizado, o PSA pois o aparelho foi recolhido pela empresa PMH por falta de contrato com a SESDF no dia 26/10/2017. Como uma campanha tão importante e a Secretaria de Saúde não ter se programado? Há mais de 06 meses a unidade não está realizando este exame.”, afirmou.

De acordo com o Sindicalista, a retirada dos aparelhos ocorreu porque a SES-DF passou um longo período sem fazer aquisição de reagentes específicos para a realização do PSA, utilizados, especIficamente, nesses aparelhos. “Somente no final de outubro a Secretaria começou a se preocupar com esses exames e está realizando pregão eletrônico para aquisição de reagentes.”.

Falta de reagentes

Porém, segundo André Angelo, além do PSA, outros exames hormonais deixaram de ser realizados pela SES-DF, a exemplo de TSH e T4 livre, ambos para diagóstico de hiper e hipotireoidismo; de medição de concentração de hormônios sexuais no sangue [Sex Hormone-Binding Globulin (SHBG), globulina ligadora de hormônios sexuais, em português]; e ainda de marcador tumoral, esse utilizado para analisar amostras do próprio tumor ou de fluidos corporais.

Mas além dos exames de hormônios, segundo André Angelo, outros exames também deixam de ser realizados pelos laboratórios.

“A urinálise está parada por falta de tira reativa; exame de sífilis também não está fazendo que é a VDRL, que está faltando reagente; Antiobiograma que é uma hemocultura, que serve para selecionar o antibiótico que o médico vai escolher para um paciente, em casos de infecção. Isso não está sendo feito há um bom tempo no Laboratório Regional.”, afirmou.

Tempo hábil

Fonte: Brasil.gov.br/Divulgação/Instituto Lado a Lado

André Angelo questionou também, além da falta de reagentes e de aparelhos para realização de exames PSA, a falta de planejamento para realizar uma campanha de diagnóstico de câncer de próstata, “sem que as unidades des saúde tenham a menor condições de realizar os exames laboratoriais”, o que considerou uma série de equívocos da SES-DF.

A crítica ocorre por falta de planejamento da SES-DF em relação  a diversos aspectos da campanha. “O secretário avisou sobre a realização de uma campanha emergencial, na última quarta-feira, dia 8 [de novembro], depois avisou que seria permanente, porém, enquanto tivesse reagente.”. Uma campanha lançada ‘da noite para o dia’ que de acordo com o sindicalista, deixou de levar em consideração uma série de fatores.

De acordo com André, a falta de planejamento vai desde a calibragem dos equipamentos para realização de diagnósticos de PSA total, a falta e previsão de reposição de reagentes, além do preparo dos usuários que devem realizar exames.

“Nos foi informado que a SES pretende fazer uma campanha emergencial, que será feita uma compra de urgência para que alguns lugares realizem o exame do PSA, nossa preocupação é com a demora para a reposição destes reagentes e sabemos que este exame tem que ser continuo pois uma vez que se altera o exame ou o paciente esteja em terapia, há necessidade que se faça acompanhamento deste hormônio para saber se o tratamento está sendo eficaz. Nosso temor e que seja feita uma campanha relâmpago e este exame ser feito de qualquer maneira, pois o paciente precisa de uma preparação, não se pode convocar os pacientes da noite pro dia para realizar estas coletas.”, disse.

Preparo de pacientes

A falta de cumprimento do tempo de preparação dos pacientes a que o sindicalista se refere pode gerar resultados diagnósticos equivocados. De acordo com André Angelo, os homens que devem se submeter aos exames, precisam atender a determinadas condições, seja de abstinência sexual, ou de realização de exercícios físicos de modo a deixar de estimular a ativar hormônios sexuais produzidos pela próstata.

“Para que os resultados dos exames não gerem diagnósticos equivocados, o paciente não pode ter ejaculado nas últimas 48 horas; não ter feito exercício em bicicleta (ergométrica ou não) nos últimos dois dias; não ter andado de motocicleta nos últimos dois dias; não ter praticado equitação nos últimos dois dias; não ter usado supositório nos últimos três dias; não ter recebido sondagem uretral ou feito exame de toque retal nos últimos três dias; não ter feito cistoscopia nos últimos cinco dias; não ter realizado ultra-sonografia transretal nos últimos sete dias; não ter feito colonoscopia ou retossigmoidoscopia nos últimos 15 dias; não ter realizado estudo urodinâmico nos últimos 21 dias. Por isso não se pode lançar uma campanha dessa natureza, a secretaria de Saúde quer abrir a campanha para fazer coleta em um único dia. Só que sem atender a esses critérios que mencionei, teremos uma grande chance de ter resultados com diagnósticos equivocados e que certamente correm o risco de terem que ser repetidos.”, disse ao alertar para o desperdício de recursos públicos.

Tempo hábil 2

Fonte: Reprodução da internet

Política Distrital (PD) teve acesso as aquisições de reagentes por parte da SES-DF, publicado no Diário Oficial do DF (DODF) nº 213, de 07 de novembro. O Pregão Eletrônico (PE) 279/2017 para aquisição de Teste para determinação da Velocidade de Hemossedimentação do Sangue (VHS), no valor de R$ 431 mil, com abertura de propostas em 22 de outubro e o segundo o PE 280/2017 para aquisição de testes para dosagens de hormônios e marcadores tumorais, com abertura de proposta previsto para 22 desse mês, esse último com valor estimado de R$ 6 milhões.

As aquisições, dado o tempo hábil para que os reagentes cheguem às unidades de saúde corroboram com as procupações do presidente do SINTRALAB-DF, em relação ao tempo hábil para a realização da campanha de prevenção ao câncer de próstata da SES-DF.

Falta de pessoal

O Sindicalista também observou a falta de profissionais de saúde nos laboratórios da SES-DF e a logística necessária à realização de exames, considerando a falta de equipamentos na SES-DF.

“Nós temos unidades de laboratórios, praticamente, sem funcioamento, por falta de pessoal. Recentemente denunciamos o desvio de função de técnicos em enfermagem realizado funções que deveriam ser preenchidas por técnicos em laboratório. Outro problema é que como só temos três equipamentos para realizacão do exame de PSA, certamente a SES terá que fazer coleta de materiais em uma unidade, e levar para outra, o que também é preocupante. “, disse.

Câncer de Próstata

O câncer de próstata é o foco de mais uma edição da campanha Novembro Azul, organizada pela Sociedade Brasileira de Urologia. O câncer de próstata, tipo mais comum entre os homens, é a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas. Somente entre 2016 e 2017, 61,2 mil novos casos foram estimados pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca).

 

 

Silêncio da SES-DF

PD questionou a SES-DF, na segunda-feira (13/Nov), porém, até o momento da publicação da matéria, a Secretaria de Saúde,  não se pronunciou sobre o caso.

0

Comentário