CPI da Saúde pede investigação contra vice-governador e secretário de Saúde do DF

Print Friendly, PDF & Email

Documento foi protocolado, nesta terça-feira, pelo sub-relator da CPI da Saúde, Wasny de Roure, e será incorporado ao relatório principal

Por Suzano Almeida

Com o fim das oitivas da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde (CPI da Saúde), o primeiro sub -relatório foi protocolado, na terça-feira (11/4), pelo deputado distrital Wasny de Roure (PT). O petista pediu abertura de processo administrativo contra oito membros do governo, entre eles o vice-governador Renato Santana (foto em destaque) e o secretário de Saúde Humberto Fonseca. O deputado insistiu ainda que os colegas investigados na Operação Drácon sejam ouvidos também.

Wasny apontou que Santana fez denúncias contra membros do próprio governo do qual faz parte e que elas precisam ser investigadas. As acusações foram gravadas pela sindicalista Marli Rodrigues, na casa do ex-servidor da Ouvidoria da Vice-Governadoria Valdecir Marques, também apontado nos pedidos de abertura de processo.

Segundo o relatório de Wasny de Roure, o secretário Humberto Fonseca cometeu crime contra o erário com o descredenciamento de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que acarretaram a perda de recursos federais. O motivo também seria suficiente para a abertura de processo administrativo, na avaliação do parlamentar.

O ex-servidor Christian Popov, acusado de “vender supostas facilidades” para manter o credenciamento de sindicatos; o ex-subsecretário de Administração-Geral da Secretaria de Saúde Marcello Nóbrega e o ex-secretário de Planejamento Administração, Desburocratização e Gestão Antônio Paulo Vogel, suspeitos de irregularidades no contrato com a Ticketcar, também tiveram pedido de abertura de investigação.

Recomendações
Em 266 páginas, Wasny de Roure relacionou problemas da área de orçamento e finanças durante o período de 2011 a 2016 na Secretaria de Saúde. Após relatar inconsistências na pasta, o petista elencou recomendações a diversas instâncias de poder.

“O governo sucateou a Saúde. Fizemos um relatório consistente e recomendamos a abertura de diversas investigações para sanar dúvidas sobre irregularidades na gestão da secretaria”, resumiu o deputado. Entre os problemas identificados, Wasny aponta a redução de investimentos na área da saúde pelo governo Rollemberg em mais de R$ 590 milhões de 2015 para 2016.

O sub-relatório fez uma lista de recomendações destinada ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB), ao Ministério Público do Distrito Federal e Território (MPDFT), ao Ministério da Saúde (MS), à Secretaria de Saúde, ao Tribunal de Contas do DF (TCDF), à Presidência da Câmara Legislativa e à Controladoria Geral do DF (CGDF).

Fonte: Metrópoles

0